Hotéis encerram atividade sem previsão de abertura

O Algarve, o Porto e Lisboa devem ser as regiões mais afetadas pela pandemia.

A incerteza criada pela pandemia de Covid-19 levou à quebra da atividade da hotelaria e muitos hotéis admitem encerrar portas sem data para uma reabertura, avança o “Jornal de Notícias” este sábado, 31 de outubro.

Prevê-se o pior cenário para a hotelaria, com o encerramento da atividade no Algarve ameaça chegar a mais de 300 hotéis, e com a cadeia Vila Galé a fechar 17 unidades durante o período outono-inverno, mantendo abertas apenas 10 unidades. O Algarve, o Porto e Lisboa devem ser as regiões mais afetadas pela pandemia.

O presidente-executivo da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo admite à publicação que muito dificilmente os hotéis que tomaram a decisão de encerrar abram portas antes do próximo verão. O hotel Dom Henrique, de cinco estrelas localizado no centro do Porto, é o exemplo de um hotel que suspende a atividade sem ter data de reabertura marcada, sendo que os custos fixos são elevados e a taxa de ocupação se tem mantido abaixo dos 10%. Ainda assim, o diretor do hotel assume ao “JN” que não vai proceder a despedimentos.

Recomendadas

Agentes da PSP exigem pagamento de retroativos de atualização salarial ocorrida em 2010

A ASPP recebeu esta semana a sentença do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa que, à semelhança do do Porto, veio dar razão aos dois mil agentes principais da PSP, penalizados entre março de 2010 e dezembro de 2011 na então nova tabela remuneratória.

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

Covid-19: Ordem atribui prémio a advogado que interpôs ação contra medidas nos Açores

A Ordem dos Advogados atribuiu o Prémio Angelo dAlmeida Ribeiro-2020 a Pedro Bettencourt Gomes, promotor, em maio, de um ‘habeas corpus’ (pedido de libertação imediata) de um “cliente arbitrariamente detido nos Açores” num caso ligado à pandemia de covid-19.
Comentários