Hoteleiros do Algarve pedem celeridade no crédito para enfrentarem prejuízos da Thomas Cook

Os empresários da hotelaria algarvios solicitaram ao Turismo de Portugal uma resposta célere para que “rapidamente sejam concedidos os créditos de tesouraria” para fazerem face aos prejuízos da falência da Thomas Cook.

O anúncio foi feito hoje aos jornalistas, pelo vice-presidente do Turismo de Portugal, Filipe Silva, à saída da reunião na Região de Turismo do Algarve, na qual se procurou indicar os procedimentos a adotar pelas empresas lesadas junto de cada mercado face aos créditos, vencidos e por vencer, resultantes de serviços prestados a este operador.

Filipe Silva revelou ainda que o Governo está a apurar junto dos diferentes mercados emissores quais os administradores de insolvência das diferentes subsidiárias da Thomas Cook e quais os canais “por onde as empresas podem começar a trabalhar” para tentar recuperar os seus créditos.

Outra das medidas anunciada e a “implementar rapidamente” pelo Turismo de Portugal é uma campanha de promoção dos destinos Algarve e Madeira, os dois mais afetados por esta falência, com a intenção de aumentar “os níveis de confiança dos mercados emissores”, de forma a “estimular os níveis de procura da temporada de inverno”.

As medidas foram recebidas com agrado pela RTA, que fala num prejuízo apurado de quase quatro milhões e 400 mil euros, “apenas com as 28 empresas presentes na reunião de hoje”, afirmou aos jornalista João Fernandes, presidente da RTA.

A rapidez na atribuição da linha de crédito anunciada pelo Governo, com um montante até 1,5 milhões de euros, foi um dos pontos destacados por João Fernandes, já que vai permitir às empresas “suprir os problemas de tesouraria”.

A campanha de divulgação do Algarve em “sete mercados” é uma aposta que vai permitir à região diversificar os “mercados emissores”, com apostas em vários canais de divulgação, desde “o reforço das ligações aéreas, até um investimento nos ‘tour’ operadores”, para compensar a falência da Thomas Cook, mas também “um investimento nas agências de viagens ‘online’”.

Os empresários hoteleiros também saíram satisfeitos desta reunião, mas deixaram a proposta para que o reembolso da linha de crédito “passasse de três para seis anos”, afirmou aos jornalistas o presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas.

O representante dos hoteleiros algarvios revelou que ainda está a ser apurado o montante de prejuízos na região criado por esta falência, mas acredita “que poderá chegar aos 15/20 milhões de euros”.

Fazendo referência aos muitos anos que opera neste setor – e às várias falências a que tem assistido –, está convicto de que os hoteleiros “não irão recuperar nem um tostão” dos serviços já prestados e afirma haver empreendimentos com “1,5 milhões e mesmo dois milhões” de dívida de turistas durante os dois meses de época alta.

O operador turístico britânico Thomas Cook anunciou falência na segunda-feira, depois de não ter conseguido encontrar fundos necessários para garantir a sua sobrevivência.

As autoridades estão agora a organizar um repatriamento de cerca de 600.000 turistas em todo o mundo.

Relacionadas

Governo anuncia linha com 150 milhões de euros para empresas afetadas pela falência da Thomas Cook

As empresas afetadas pela insolvência do operador turístico Thomas Cook vão ter à disposição uma linha de apoio com um montante até 1,5 milhões de euros para financiar necessidades de tesouraria, anunciou hoje o Governo.

Thomas Cook: Madeira e Algarve com 2,25 milhões de euros para plano especial de promoção

A verba vai servir para responder “à quebra naqueles que são os dois destinos nacionais mais dependentes” da Thomas Cook.

PremiumPrejuízo nos hóteis do Algarve pode chegar aos 20 milhões de euros com falência da Thomas Cook

Os hotéis do Algarve estão em risco de não ser ressarcidos das vendas realizadas no verão ao operador britânico. Empresas de aluguer de carros e ‘transfers’ são outros serviços afetados.
Recomendadas

Balsemão: “Este livro não é, nem pretende ser, um ajuste de contas”

A apresentação do livro de 962 páginas, onde o patrão do Expresso e da SIC, conhecido jornalista, empresário e político relata as suas Memórias, coube a Luís Marques Mendes e Clara Ferreira Alves. “Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes”, disse Balsemão, citando Proust.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Moody’s sobe rating da CP

“A subida tem em conta as fortes ligações entre a Comboios de Portugal e o soberano, do qual recebe um apoio financeiro considerável”, considerou Francesco Bozzano, o analista da empresa na agência norte-americana, onde tem o cargo de analista vice-presidente-sénior.
Comentários