Hovione Capital muda de nome e alarga investimento a startups de biotecnologia

“Esta nova denominação social está em linha com a expansão do foco de investimento, que a partir de agora também incluirá empresas de biotecnologia”, sublinha a empresa.

A empresa de capital de risco Hovione Capital anunciou hoje que mudou de nome para Bionova Capital e que vai passar a investir em startup de biotecnologia que desenvolvam novos produtos terapêuticos.

“Bionova Capital é o novo nome da empresa de capital de risco Hovione Capital, refletindo um alargamento da estratégia de investimento”, afirma a empresa em comunicado.

A empresa indica que passará também a investir em startups de biotecnologia a desenvolver novos produtos terapêuticos, complementando a atual estratégia de investimento em novos dispositivos médicos e produtos de saúde digital.

“Esta nova denominação social está em linha com a expansão do foco de investimento, que a partir de agora também incluirá empresas de biotecnologia”, sublinha a empresa.

A Hovione Capital foi fundada em 2015 pelos acionistas da farmacêutica portuguesa Hovione, uma empresa multinacional com laboratórios e fábricas em Portugal, Irlanda, Macau e Estados Unidos da América.

A Bionova Capital mantém os atuais acionistas e equipa de gestão, apenas sendo alargado a estratégia de investimento.

“Nos últimos anos, temos investido por toda a Europa em várias empresas inovadoras na área da saúde, tendo contribuído positivamente para o seu sucesso”, diz o presidente da Bionova Capital, Peter Villax, citado no comunicado.

“Recentemente tomámos a decisão estratégica de também investir em empresas de biotecnologia que estejam a desenvolver novos produtos terapêuticos em áreas onde os tratamentos atuais não são eficazes, o que vem diversificar e alargar a nossa estratégia de investimento, e com a qual a nossa nova denominação está em consonância”, acrescenta o responsável.

Segundo o presidente executivo da Bionova Capital, Ricardo Perdigão Henriques, a empresa fez recentemente o primeiro investimento numa empresa de biotecnologia, a CellmAbs, uma startup portuguesa que está a desenvolver um potencial novo tratamento para o cancro.

“No futuro, certamente iremos fazer mais investimentos em empresas de biotecnologia, pois temos recebido inúmeros contactos por parte de startups desta área, que por toda a Europa estão a desenvolver novos produtos terapêuticos baseados em investigação biomédica de excelência”, afirma Ricardo Perdigão Henriques.

A Bionova Capital criou também um conselho científico, constituído por cientistas e executivos com experiência internacional na indústria farmacêutica, que terão uma função consultiva e permitirão aceder a novas oportunidades de investimento por toda a Europa.

De acordo com o comunicado, a Bionova Capital é um investidor europeu especializado na área da saúde, sendo em Portugal o único investidor exclusivamente focado neste setor.

A empresa de capital de risco gere atualmente um portfólio de cinco empresas, duas baseadas no Reino Unido e três em Portugal.

Ler mais
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários