HP mostra impressora 3D capaz de produzir peças metálicas

O ser humano molda metais em objetos tão diversos como armas ou ferramentas desde a pré-história através de uma grande quantidade de processos. No século XXI surgiu um novo: a impressão 3D de peças metálicas. A nova Metal Jet custa cerca de 345 mil euros.

A impressão 3D de peças metálicas não propriamente novidade, porque existem algumas empresas que oferecem soluções deste tipo, que permitem a criação de objetos através da deposição de material em camadas, num processo muito semelhante ao utilizado nas impressoras de jacto de tinta. O objetivo da entrada da HP neste mercado é a de fazer baixar acentuadamente os preços. A sua primeira proposta chama-se Metal Jet e custa 400.000 dólares (cerca de 345.000 euros).

A este preço, provavelmente, a Metal Jet não se destina aos consumidores que quiserem construir peças em metal na garagem. A HP anunciou acordos com empresas como Volkswagen e a Johnson & Johnson Medical Devices para que estas tenham acesso a esta tecnologia.

A impressão de peças metálicas em 3D, também chamada “addictive manufacturing” (ou fabrico por adição), permite a produção de peças que, de outro modo, são muito caras, ou impossíveis de fabricar através de processos tradicionais. Por exemplo, é possível fabricar uma peça metálica como uma estrutura interna praticamente oca, de forma a ser mais leve que outra igual fabricada através de um método mais tradicional.

Apesar de a tecnologia de impressão 3D ser cada vez mais popular, ainda não serve totalmente para se criar produtos prontos a serem consumidos. Na grande maioria das aplicações é utilizada para a construção de protótipos. A impressão 3D de objetos metálicos é ainda um nicho no universo da impressão 3D.

Pcas impressas com a Metal Jet
Peças impressas com a Metal Jet.

Como funciona o método de impressão apresentado pela HP

Tudo começa com uma fina camada de pó metálico que é colocado numa plataforma. De seguida uma linha de cabeças de impressão atravessa a camada depositando gotas minúsculas de um agente que agrega o pó, na prática é um tipo de cola, nas zonas onde a peça a cria tem de ser maciça. Quando uma camada estiver acabada, é depositada uma nova camada de pó e o processo repete-se. A construção de um objecto que ocupe o volume disponível na impressora (430 x 329 x 200 mm), demora cerca de 5 horas.

A impressora da HP funciona a uma resolução alta. O objecto metálico mais pequeno que consegue criar mede apenas 20 x 20 x 50 mícrones, ou milionésimo de metro. Como termo de comparação, um cabelo humano mede entre 17 a 180 micrones de diâmetro.

Depois de terminada a impressão, as peças são retiradas da impressora e o pó que não tiver sido utilizado pode ser removido para nova utilização. De seguida as peças são sujeitas a uma operação de aquecimento que fundo o pó num bloco sólido. Este processo foi desenvolvido em conjunto pela HP e por algumas entidades especialistas neste processo, como a Parmatech e a GKN Powder Metallurgy.

A HP espera que estas impressoras cheguem ao mercado mainstream nos próximos anos. Para já, os clientes que quiserem utilizar esta tecnologia terão de recorrer a serviços de impressão autorizados pela HP.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

FinTech: das finanças pessoais à análise de risco

Produtos digitais cobrem a indústria financeira. A inteligência artifical tanto apoia no ‘backoffice’ como recomenda estratégias de investimento.

Ex-presidente da Nissan pode vir a ser detido mais uma vez esta segunda-feira

A detenção deve acontecer na próxima segunda-feira, altura em que o atual período de detenção por suspeita de ter desviado cinco milhões de dólares (cerca de 4,4 milhões de euros) termina.

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.
Comentários