Huawei lança app para ajudar as crianças surdas a ler

Através da aplicação StorySign, a comunidade surda vai poder aceder à interpretação em língua gestual de livros previamente disponibilizados na aplicação, contribuindo para a literacia das crianças surdas, que não conseguem fazer a ligação entre as palavras e os sons.

A Huawei desenvolveu uma aplicação gratuita que recorre a Inteligência Artificial para ajudar as crianças surdas a ler. Através da aplicação StorySign, a comunidade surda vai poder aceder à interpretação em língua gestual de livros previamente disponibilizados na aplicação, contribuindo para a literacia das crianças surdas, que não conseguem fazer a ligação entre as palavras e os sons.

A aplicação resulta de um trabalho conjunto com a União Europeia de Surdos, a editora Penguin Random House, o estúdio de animação Aardman e a Federação Portuguesa das Associações de Surdos. Basta apenas abrir a aplicação e clicar num dos livros disponíveis na biblioteca do StorySign e a avatar Star conta a história escrita no livro físico em língua gestual.

As palavras escritas são também realçadas para que a criança consiga de forma simples associar gestos e palavras e assim aprender a ler, ao seu próprio ritmo. A aplicação é a ‘jóia da coroa’ da campanha de Natal da Huawei no Reino Unido, estando por enquanto disponível em Portugal o livro “Onde está o Bolinha” de Eric Hill.

“Queremos contribuir cada vez mais com conteúdo que traga outro tipo de ajuda às pessoas para, através da tecnologia, poderem superar as suas barreiras e limitações. Estamos comprometidos a fazer cada vez mais através da Inteligência Artificial, pondo-a ao serviço das pessoas no seu dia-a-dia”, afirmou o diretor-comercial da área de consumo Huawei Portugal, Tiago Flores.

Cláudia Figueiredo, marketing assistant da Huawei Portugal, lembra que, quando as crianças começam a aprender a ler, fazem-no associando as palavras a sons, o que no caso das crianças surdas é impossível. Isso torna muito mais difícil todo o processo de aprendizagem das crianças. “Esta app que vai permitir os pais ouvintes, contar uma história aos filhos e sensibilizar as pessoas para esta causa”, afirma.

Um estudo encomendado pela Huawei mostra que, em média, são necessários mais 16 minutos para contar uma história a uma criança surda do que uma criança ouvinte. O mesmo estudo mostra também que 81% dos pais portugueses não sabe língua gestual portuguesa, o que dificulta a literacia das crianças que nascem sem audição ou que perdem a audição em pequenas.

Atualmente, existem 32 milhões de crianças surdas no mundo. A StorySign está disponível gratuitamente para Android através da Google Play Store e Huawei AppGallery, em dez línguas gestuais (inglês, francês, alemão, italiano, espanhol, holandês, português, irlandês, flamengo da Bélgica e alemão da Suíça).

Ler mais
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários