Huawei lança mais uma edição de programa formativo em Portugal

“Este ano, fruto das circunstâncias, o programa adotou um formato digital, para que o contexto que vivemos não impedisse os alunos portugueses de ter acesso a uma experiência enriquecedora que os aproxima da realidade das empresas”, explica a empresa.

Freepik

A Huawei anunciou o lançamento em Portugal da quinta edição do programa de formação Seeds for the Future destinado a alunos das áreas de Engenharia Eletrónica e de Comunicações, Informática ou similares.

A formação que terá a duração de uma semana e será feita online permitirá aos estudantes selecionados acesso a visitas virtuais; apresentações e trocas de experiências com colaboradores da Huawei; e cursos com especialistas nas áreas de tecnologia, liderança e tendências da indústria.

Segundo a Huawei, os objetivos desta nova edição passam por «capitalizar o facto de o programa ser digital para incrementar a flexibilidade dos conteúdos programáticos e oferecer mais oportunidades para que os participantes ampliem os seus horizontes e perspetivas de carreira».

A Huawei implementou o programa em Portugal, em 2015, que se enquadra num movimento de aprofundamento da ligação da Huawei com as universidades portuguesas, do qual fez parte também o programa ICT Academy em Portugal, uma iniciativa de transferência de conhecimento para as universidades nacionais; o laboratório 5G que está a ser implementado em conjunto com a Universidade de Aveiro e o Instituto de Telecomunicações; e os protocolos de cooperação, como o assinado em 2019 com o Instituto Superior Técnico.

Diogo Madeira da Silva, head of Relações Públicas e Comunicação da Huawei Portugal, refere que o Seeds for the Future «é, desde há vários anos, um programa bandeira para a Huawei Portugal, ao abrigo do qual várias dezenas de estudantes portugueses tiveram a oportunidade de viajar até à Ásia, conhecer a sede da Huawei e aprender com os profissionais e investigadores da empresa».

O responsável explica o muda nesta edição: «Este ano, fruto das circunstâncias, o programa adotou um formato digital, para que o contexto que vivemos não impedisse os alunos portugueses de ter acesso a uma experiência enriquecedora que os aproxima da realidade das empresas. Portugal precisa de talentos qualificados para responder às necessidades e ambições para o futuro do país, e este programa é um dos nossos contributos para esse desígnio».

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Associação sindical pede ao Governo que ensino passe a funcionar em regime não presencial

Associação Sindical de Professores Licenciados defende que durante o confinamento geral do país, as escolas se mantenham abertas apenas para os alunos cujos pais pertencem a serviços essenciais ou para quem não têm condições para continuar o ensino em casa.

Professores “não são profissão de risco acrescido”, sublinha Graça Freitas

“Independentemente de serem trabalhadores em escolas, são pessoas com determinado grupo etário e determinados fatores de risco”, sustentou Graça Freitas.

“Interrupção do ensino presencial teve um custo”. Primeiro-ministro defende manutenção das escolas abertas

“Até aos 12 anos o risco é diminuto de acordo com as opiniões do Conselho Científico. Sabemos que o número de casos foi diminuto no primeiro período e que nenhum foco teve início numa escola”, defendeu o governante.
Comentários