Huawei lança telemóvel dobrável apenas para o mercado chinês face a sanções

A Huawei disse que o Mate X2, o terceiro telemóvel dobrável do grupo, tem gráficos mais nítidos e melhor som para filmes e jogos. O dispositivo usou o ‘chip’ de processador mais avançado fabricado pela empresa, o Kirin 9000.

O grupo de telecomunicações chinês Huawei apresentou hoje um novo telemóvel dobrável, com um ecrã de 20 centímetros, que será vendido apenas na China, numa altura em que a empresa enfrenta sanções norte-americanas.

O modelo, designado Mate X2, ilustra os desafios que a Huawei enfrenta, depois de Washington ter cortado o acesso da empresa a tecnologia norte-americana, incluindo ‘chips’ e serviços da Google.

No ano passado, a Huawei caiu do primeiro para o sexto lugar na tabela das marcas de telemóveis mais vendidas a nível global.

A Huawei disse que o Mate X2, o terceiro telemóvel dobrável do grupo, tem gráficos mais nítidos e melhor som para filmes e jogos. O dispositivo usou o ‘chip’ de processador mais avançado fabricado pela empresa, o Kirin 9000.

Este telemóvel oferece uma “experiência verdadeiramente imersiva”, disse o presidente da unidade de consumo da Huawei, Richard Yu, num evento transmitido ‘online’.

Em 2019, a Huawei, primeira marca de tecnologia da China com alcance global, foi colocada numa lista de entidades consideradas como um risco para a segurança norte-americana pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos, durante a presidência de Donald Trump.

Em novembro passado, a Huawei vendeu a marca de telemóveis de baixo custo Honor para concentrar recursos em modelos de última geração.

O Mate X2 estará disponível a partir de 17.999 yuans (2.288 euros), indicou Yu.

Executivos disseram anteriormente que a Huawei tinha armazenado vários componentes em antecipação de um possível corte no fornecimento pelos Estados Unidos, mas não é claro quanto tempo esses suprimentos podem durar.

A Huawei projetou a linha Kirin, que alimenta os seus ‘smartphones’ mais avançados, mas depende de fabricantes externos, incluindo a TSMC, de Taiwan, para o fabrico.

A administração Trump intensificou as sanções no ano passado, bloqueando a TSMC e outros produtores globais de usar tecnologia dos EUA para fazer ‘chips’ para a Huawei, incluindo os que são desenvolvidos pela empresa.

As autoridades chinesas acusaram Washington de abusar do reclamações de segurança nacional para conter as empresas tecnológicas da China. A Huawei nega acusações de que pode facilitar a espionagem chinesa.

Sem acesso aos serviços da Google e outros serviços pré-instalados, as vendas de ‘smartphones’ da Huawei caíram 22%, no ano passado, para 188,5 milhões de unidades, segundo a analista de mercado Canalys.

O fundador da Huawei, Ren Zhengfei, disse já não esperar que o novo Presidente norte-americano, Joe Biden, suspenda as sanções de Trump, mas expressou confiança na sobrevivência da empresa.

A Huawei, com sede em Shenzhen, no sul da China, também é a maior fabricante global de equipamentos de comutação para redes de telecomunicações.

A unidade de ‘smartphones’ da Huawei depende cada vez mais do mercado doméstico na China, que representa já mais de 70% das vendas.

A perda de serviços do Google não teve impacto na China, onde não são licenciados, e a Huawei já usa alternativas locais.

Ler mais
Recomendadas

Conheça os rótulos europeus de eficiência hídrica e energética e poupe centenas de euros por ano

Nestas imagens fica a conhecer os rótulos para aumentar a poupança. Se utilizássemos equipamentos mais eficientes, o montante a pagar na fatura seria substancialmente reduzido, refere a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Garrafa portuguesa Eco poupou mais de 180 toneladas de plástico descartável. Marca prepara expansão para Espanha e França

No segundo ano da atividade, nem a marca Eco conseguiu fugir aos impactos da pandemia: “preocupa-nos em particular que a atual pandemia possa vir a afetar os comportamentos sustentáveis dos consumidores”, conta André Paiva ao Jornal Económico.

Fim de semana vai ter aumento de temperaturas. Termómetros chegam aos 21 graus

As temperaturas vão subir ligeiramente no fim de semana porque a depressão que tem gerado precipitação vai passar a ter “menos influência no estado do tempo em Portugal Continental”, avisou o IPMA ao Jornal Económico. Haverá, porém, alguma nebulosidade.
Comentários