PremiumHumberto Pedrosa: “Voltarei a tomar o meu lugar na administração da TAP”

A necessidade de clarificação do Estatuto do Gestor Público levou Humberto Pedrosa a renunciar à presidência na TAP SA, de forma a não pôr em risco o fecho do negócio de saída de David Neeleman.

Para não pôr em risco fecho do acordo de saída de David Neeleman da TAP, o acionista privado, Humberto Pedrosa, deixou a administração da empresa que passou a ser detida maioritariamente pelo Estado. Em causa está a necessidade de clarificação do Estatuto do Gestor Público no que toca a administradores não executivos como é o caso do dono do grupo Barraqueiro que detém 22,5% da companhia aérea. Em declarações ao Jornal Económico (JE), empresário português garante: “Após a clarificação do regime do gestor público, voltarei a tomar o meu lugar”.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

‘Intelligent edge’ é a próxima revolução no mundo dos negócios

Ao trazer poderosos recursos de computação para mais perto de onde os dados são originados e precisam de ser consumidos, este salto tecnológico liberta todo o potencial para acelerar a 4ª Revolução Industrial.
Comentários