Iberdrola obtém financiamento de 400 milhões para a construção de sistema hidroeléctrico no Tâmega

Os fundos serão investidos no complexo hidroeléctrico bombeado a 1158MW a ser construído no norte de Portugal, que servirá também para integrar mais energia eólica e solar na rede.

A Iberdrola conseguiu através do Instituto de Crédito Oficial (ICO) o maior empréstimo verde até agora concedido pelo banco público espanhol.

O montante chega a 400 milhões de euros com um período de amortização de 12 anos e dois de carência para o pagamento principal.

A operação foi assinada esta manhã, 30 de maior, pelo presidente da empresa espanhola, Ignacio Galán, e pelo presidente do ICO, José Carlos García de Quevedo, durante um encontro realizado no escritório corporativo da Iberdrola em Madrid.

Os fundos obtidos serão destinados ao Sistema Eletroprodutor do Tâmega, que a empresa está a construir atualmente no norte de Portugal. Trata-se de um projeto que inclui a construção de três novas barragens e três centrais hidroelétricas com uma capacidade total de 1.158 megawatts (MW), o que representará um aumento de 6% na potência elétrica total de Portugal e que permitirá fornecer energia renovável para 440.000 residências.

Dessa capacidade, 880 MW serão de bombagem, o sistema de armazenamento de energia mais eficiente, na atualidade, com o qual se facilita a integração das energias renováveis no sistema elétrico peninsular, assim como a sua sustentabilidade.

No ano passado, o Banco Europeu de Investimento (BEI) contribuiu para o projeto com um empréstimo de 500 milhões de euros, a primeira parcela de um financiamento aprovado num valor de 650 milhões de euros.

Recomendadas

Portugal deixou definitivamente de usar carvão na produção de eletricidade

Entre 2008 e 2019, a Centro do Pego representou, em média, anualmente, 4% das emissões totais nacionais de gases com efeito de estufa (GEE).

Pressão sobre preços da energia deverá manter-se no próximo ano

Instabilidade no mercado do gás natural condiciona evolução dos preços da energia na Europa. Participantes na mesa-redonda sobre “a descarbonização e os preços da energia”, realizada no âmbito da Portugal Smart Cities Summit, consideram que situação deverá manter-se em 2022.

COP26. Marcelo saúda “pequeno passo” lamentando falta de consenso “mais ambicioso”

A 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) adotou formalmente uma declaração final com uma alteração de última hora proposta pela Índia que suaviza o apelo ao fim do uso de carvão.
Comentários