Iberdrola aposta em força no mercado residencial para triplicar clientes até 2020

Energética espanhola quer chegar a meio milhão de clientes em Portugal em três anos. Objetivo é aumentar quota de mercado de 14% para 20%.

A Iberdrola pretende apostar em força no mercado português, conquistando quota no mercado residencial. Segundo a diretora comercial da energética espanhola em Portugal, Carla Costa, o objetivo é passar dos atuais 160 mil clientes residenciais para 500 mil em 2020.

Um objetivo ambicioso que será alcançado com um reforço da equipa comercial e com uma campanha publicitária que arrancará nas próximas semanas, num investimento significativo, explicou.

A Iberdrola está presente em 2004 e tem atualmente uma quota de mercado de 14%. Conta com mil colaboradores diretos e indiretos, através de uma rede de parceiros em todo o país. A empresa é líder no segmento de clientes industriais e, se atingir o objetivo fixado para 2020, passará a ter uma quota de 20%, atrás apenas da EDP.

A descida nas tarifas no mercado liberalizado, este ano, devido aos termos de acesso às redes, permitirá à Iberdrola “transferir para os seus clientes a totalidade desta redução”, disse Carla Costa, acrescentando que dessa forma a empresa procura “lutar pela confiança dos consumidores”.

A responsável considera que existe um problema de falta de informação sobre o mercado de eletricidade em Portugal, que leva a que muitos consumidores se deixem assustar por táticas comerciais mais agressivas. Exemplo disso, referiu, são as cartas que a EDP enviou a clientes que pretendiam mudar de fornecedor e que mereceram entretanto um reparo do supervisor, a ERSE.

A Iberdrola está também a investir nas energias renováveis em Portugal, com a construção do Sistema Eletroprodutor do Tâmega, que inclui a construção de três barragens (Alto Tâmega, Daivões e Gouvães), com uma capacidade instalada de 1.158 MW e uma capacidade estimada de produção anual de mais de 1.760 GWh.

As obras já estão em curso e vão prolongar-se até 2023, num investimento de mais de 1,5 mil milhões de euros. Duas das barragens entrarão em funcionamento em 2021 e a terceira em 2023.

Notícia publicada na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão

Ler mais
Recomendadas

CDS quer actualização do Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral querem saber se está já em curso alguma actualização ao Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa e seus vectores, elaborado em 2016, e se não, para quando está pensada essa actualização. E enviaram a pergunta ao ao ministro da Agricultura, Florestas […]

Crise dos Combustíveis. CAP aconselha agricultores a “constituírem reservas e tomar medidas de prevenção”

Afinal a crise dos combustíveis não chegou ao fim. Sem conseguir um acordo com a Antram — Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) anunciou uma greve “cirúrgica” ao trabalho suplementar, feriados e fins-de-semana, entre 7 e 22 de Setembro. Por isso a CAP — […]

SIC e RTP1 foram os canais que mais peças emitiram sobre as eleições europeias

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social concluiu que o canal do grupo Impresa divulgou 189 peças com a presença de candidaturas às eleições para o Parlamento Europeu, que representam menos de 3% do tempo total de noticiários analisados.
Comentários