Ibero-Americana: Marcelo e Costa pelo multilateralismo e contra desunião no combate à covid-19

“Estamos todos no mesmo barco, ninguém se salva sozinho”, declarou o chefe de Estado, antes de acentuar perante o rei e o primeiro-ministro de Espanha que o combate à pandemia da covid-19 “é uma questão global e não de uma questão eleitoral, partidária, de um grupo social ou económico”.

Da esquerda para a direita: Presidente do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, Rei de Espanha Felipe VI, Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o Primeiro-ministro de Portugal, António Costa | Foto de EPA/NUNO VEIGA/ Agência Lusa

O Presidente da República e o primeiro-ministro participam hoje na reunião plenária da XXVII Cimeira Ibero-Americana, em Andorra, fórum em que têm assumido uma posição conjunta em defesa do multilateralismo e de um combate global à covid-19.

Na terça-feira, em Andorra-a-Velha, antes da cerimónia inaugural desta cimeira, perante uma plateia de empresários do espaço Ibero-Americano, Marcelo Rebelo de Sousa evocou o exemplo de Portugal em que mais de 80% dos deputados, ao longo do último ano, têm aprovado sucessivos estados de emergência, planos de confinamento e de desconfinamento contra a covid-19.

“Estamos todos no mesmo barco, ninguém se salva sozinho”, declarou o chefe de Estado, antes de acentuar perante o rei e o primeiro-ministro de Espanha que o combate à pandemia da covid-19 “é uma questão global e não de uma questão eleitoral, partidária, de um grupo social ou económico”.

Também no Fórum Empresarial Ibero-Americano, o primeiro-ministro atacou as políticas de fecho de fronteiras para impedir a saída de vacinas contra a covid-19 e as “guerras nacionais” em função do país de origem dessas vacinas, defendendo em contrapartida mais prevenção e regulação.

António Costa salientou na sua intervenção que o vírus “não tem nacionalidade nem conhece fronteiras” e que “também as vacinas não têm nacionalidade”.

“Todas as vacinas que demonstrem a sua eficácia e segurança sanitária têm de possuir licença de introdução no mercado. Essas vacinas tanto podem ser produzidas na Europa, nos Estados Unidos, na China ou na Rússia. A verdade é muito clara: Todos somos poucos para produzir a quantidade de vacinas necessárias à escala global”, frisou.

O primeiro-ministro considerou mesmo “inadmissíveis as guerras comerciais com base em bens essenciais, como são as vacinas”.

Antes da reunião plenária da cimeira, que será dedicada aos temas do desenvolvimento sustentável e da cooperação global contra pandemias, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa iniciam a manhã de hoje com uma série de reuniões bilaterais com chefes de Estado e de Governo de outros países.

Entre as várias reuniões, o Presidente da República encontra-se com o rei Filipe VI, enquanto com António Costa estará se reunirá com o seu homólogo espanhol, Pedro Sánchez.

No final desta cimeira, ao início da noite em Lisboa, o Presidente da República e o primeiro-ministro darão uma conferência de imprensa conjunta.

A comunidade ibero-americana é composta por 22 países, dos quais três europeus, Portugal, Espanha e Andorra, e 19 latino-americanos: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela, México, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Cuba e República Dominicana.

A primeira cimeira desta comunidade realizou-se em 1991, em Guadalajara, no México. Os encontros repetiram-se, com periodicidade anual, até 2014. Desde então, passaram a ser de dois em dois anos.

Na maior parte das cimeiras ibero-americanas, Portugal tem estado representado conjuntamente pelos chefes de Estado e de Governo.

Ler mais
Recomendadas

Ministra da Saúde diz que abril foi “um dos meses mais produtivos” na retoma do SNS

A ministra avançou que “o mês de abril terá sido um dos meses mais produtivos do SNS, tendo conseguido ultrapassar mais de dois milhões e meio de consultas a mais nos cuidados de saúde primários, mais de 400 mil consultas a mais na área hospitalar e mais de 32 mil cirurgias a mais na atividade hospitalar”.

Governo dá mais 11 milhões ao Garantir Cultura para projetos não empresariais

O anúncio dos serviços do Ministério da Cultura dá igualmente conta de que o programa Garantir Cultura, destinado ao tecido empresarial, com uma dotação orçamental de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, recebeu 718 candidaturas.

Líder comunista duvida que “bazuca dos milhões” dê resposta aos problemas do país

Num comício na Praça 08 de maio, no coração da cidade de Coimbra, na apresentação dos candidatos do partido à Câmara e Assembleia Municipal, o dirigente comunista falou de um país que “andou para trás”, num período de pandemia em que “se avolumam problemas de dimensão económica e social”.
Comentários