PremiumIdan Ofer. Magnata israelita pôs o Famalicão à frente da Liga

Desafiado por Jorge Mendes a investir no futebol nacional, o acionista do Atlético Madrid comprou a sociedade anónima desportiva do Famalicão, apostou na subida de divisão e, concretizado esse passo, encheu o plantel com jovens emprestados por gigantes europeus ligados ao superagente. Chega à quarta jornada da Liga NOS empatado com o Sporting na liderança.

Longe vão os tempos em que Idan Ofer assistia a vitórias tão esforçadas do Famalicão como aquela que valeu preciosos três pontos frente aoSporting da Covilhã, conseguidos já em tempo de descontos, encaminhando a equipa de futebol minhota para o objetivo que o magnata israelita estabeleceu em novembro de 2018, numa entrevista ao “Record”: “Queremos subir à 1.ª Liga já esta temporada.” Alcançada a primeira meta, com o Famalicão a ficar atrás do campeão Paços de Ferreira mas com 15 pontos de vantagem sobre o Estoril-Praia, terceiro classificado da segunda divisão do futebol nacional, o clube não só voltou a competir com os “grandes” como nesta tarde de sábado vai visitar o Desportivo das Aves encontrando-se na liderança da Liga NOS, em igualdade pontual com o Sporting e com um ponto de vantagem sobre o Benfica e o FC Porto.

Havendo quem antecipe, meio a sério e meio a brincar, que o hino da Liga dos Campeões soará na próxima temporada no Estádio Municipal 22 de Junho, dotado de pouco mais de cinco mil lugares nas bancadas, inegável é que até agora está a render a aposta no futebol português de um dos homens mais ricos de Israel, com negócios na prospeção petrolífera e na extração mineira, sendo ainda armador de petroleiros e empreendedor no segmento dos carros elétricos, com uma fortuna pessoal avaliada pela revista “Forbes” em 4,6 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros), em parte devido a tudo aquilo que herdou do pai, numas partilhas assaz invulgares.

Aquando da morte de Sammy Ofer, em 2011, Idan e o irmão mais velho, Eyal, procederam ao sorteio de dois lotes com centenas de petroleiros e outros tipos de embarcações. Cada um deles retirou um envelope de um chapéu, enquanto a mãe assistia ao ritual. “Foi pacífico e sem drama”, relatou o atual proprietário da SAD do Famalicão à Bloomberg, explicando que um método idêntico permitiu a divisão da coleção de arte daquele que era o homem mais rico de Israel, incluindo obras de Pablo Picasso e de Van Gogh.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumJuan Carlos I: O rei sai nu

O exílio do rei emérito é a última oportunidade de preservação da monarquia espanhola – apesar de a possibilidade de secessão ser o verdadeiro problema do país. Juan Carlos ficará conhecido na história como o rei que atirou para o lixo a página dourada que sobre ele já tinha sido escrita e a substituiu por uma garatuja onde se acotovelam animais mortos, amantes e corrupção.

PremiumRicardo Costa: Identidade apurada ao sabor do tempo

40 anos de idade, 20 anos de carreira e 10 anos à frente do restaurante The Yeatman, com uma vista imperdível sobre o rio Douro. O chef Ricardo Costa soma números redondos de idade e experiência, além das duas estrelas Michelin que já tinha no cardápio, num ano que não está a ser fácil para o mundo. Fomos conhecer o homem por detrás da jaqueta de chef.

PremiumNasdaq: O imparável índice que avança à alta velocidade tecnológica

A aceleração da transição digital em tempos de pandemia, aliada ao apetite dos investidores pelo risco, tem levado o Nasdaq Composite a quebrar recordes sucessivos. Gigantes tecnológicas como a Apple, a Amazon, a Google e a Microsoft dominam um ‘rally’ que os analistas dizem que não deverá travar nos próximos tempos.
Comentários