Ideias…

O chanceler britânico mandou fazer uma moeda comemorativa do Brexit, com a data histórica de 31 de outubro. Azar, foi novamente adiado. Agora as moeas vão ser fundidas e o melhor é por nova data mas sem ano.

O mundo está a ficar um lugar impossível. Toda a gente argumenta sobre tudo, o que faz parecer que estamos numa casa de loucos. Benjamin Schreiber, de 66 anos, espancou um homem até à morte e está preso na Penitenciária Estadual do Iowa, EUA, condenado a prisão perpétua.

Em 2015 foi operado e durante a operação o seu coração parou cinco vezes, o que o levou, em março de 2018, a uma ideia de génio: reclamar ser libertado porque “foi condenado a ficar preso até morrer, não até morrer mais um dia”. O tribunal decidiu, na linha da sua argumentação, negar-lhe a libertação com a justificação inatacável que se reclamou é porque está vivo.

A Universidade de Radboud, na Holanda, teve também uma ideia genial: disponibiliza uma campa para que os alunos que se sentem esmagados pelo stresse possam refletir sobre o sentido da vida. “Purifica” quem nela repousa, libertando a pessoa das tensões emocionais. É proibido levar o telemóvel ou livros para a cova, para “repousar em paz”, e pode-se ficar nela de meia hora a três horas.

A campa foi aberta em 2009 pelo capelão como uma experiência temporária, tendo “confortado” 39 estudantes até 2011, ano em que foi encerrada. Porém, voltou dos mortos em junho, a pedido da comunidade estudantil. Já houve mais de 30 solicitações, e mais de 15 estudantes foram já autorizados a usá-la. É uma ideia, digamos, original, mas se os vivos usam as campas, onde vamos pôr os mortos?

Sajid Javid, o chanceler britânico, teve uma ideia fantástica: fazer uma moeda comemorativa do Brexit. Vai daí, fez cunhar uma moeda de 50 pence com a histórica data de 31 de outubro. Ora, para infelicidade sua, o Brexit foi mais uma vez adiado, o que vai levar o Tesouro de Sua Majestade a fundir as moedas, aumentando os custos do Brexit. Vamos ver se as mandam cunhar com a data de 31 de janeiro ou se esperam. Ou até, outra possibilidade, se mandam cunhá-las com 31 de janeiro sem pôr o ano.

Entretanto, a polícia de Avon e Somerset tentou resolver o mistério do “porque razão a galinha atravessou a rua”. Não conseguiram descobrir, pois o bicho não respondeu, mas fizeram parar o trânsito para que o “cidadão com penas” atravessasse a rua. Os automobilistas gostavam muito de saber quem teve a ideia.

Em Espanha, Pedro Sánchez teve uma ideia para governar e resolveu mandar o país para eleições. Esperava reforçar a sua representação parlamentar e meter na ordem o Podemos e o Ciudadanos, para mandar praticamente sozinho, só que o senhor Iglesias fez-se caro demais e foi tudo às urtigas. Quem ganhou foi o PP (22 deputados) e o Vox, que mais do que duplicou o número de deputados e passou a ser a terceira força política do país. Agora, Sánchez nem com os outros dois consegue ter maioria no Parlamento. Consta que se virou para este lado da Península à procura de ideias…

Recomendadas

A História está de regresso à Velha Europa

Ficou célebre a frase de Lord Ismay sobre a NATO. Esta, dizia, foi criada para “manter os russos fora, os americanos por dentro e os alemães em baixo”.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.

A idade sem razão

Insistir no uso da idade cronológica, ou a ausência de preocupação com o que representa a desvalorização social de se ser mais velho, é reveladora de uma enorme insensibilidade à mudança social. O resultado é o desperdício de capital humano para as sociedades que envelhecem.
Comentários