IFRS 16 e a comparabilidade da informação financeira

A IFRS 16 – Locações entrou em vigor a 1 de janeiro de 2019 e teve os seus reflexos na publicação das contas das empresas no primeiro trimestre do ano.

A IFRS 16 – Locações entrou em vigor a 1 de janeiro de 2019 e teve os seus reflexos na publicação das contas das empresas no primeiro trimestre do ano. Segundo alguns analistas o objetivo da norma não foi totalmente atingido. Qual a razão para que tal tenha acontecido?

A IFRS 16 requere que os locatários contabilizem todas as locações (“operacionais” e “financeiras) com base num modelo único de reconhecimento no balanço. Assim, na data de início da locação, o locatário reconhece a responsabilidade relacionada com os pagamentos da locação e o ativo que representa o direito a usar o bem subjacente (ROU), durante o período da locação.

Simultaneamente, é reconhecido o custo do juro sobre o passivo da locação e a respetiva amortização do ROU. O objetivo pretendido com a norma seria permitir a comparabilidade: i) das demonstrações financeiras através do registo em balanço de todos os ativos e passivos das locações, independentemente da forma de detenção dos ativos e do seu financiamento; e ii) dos indicadores de performance das empresas (KPI’s).

Da análise das contas do primeiro trimestre das principais operadoras de telecomunicações europeias, pode concluir-se que os maiores impactos da aplicação da referida norma, resultam do registo em balanço dos contratos de arrendamento de infraestruturas (sites) de rede móvel e rede fixa, lojas, edifícios, data centres e da apresentação em resultados da amortização do ROU e dos juros do passivo da locação. Simultaneamente, verifica-se que alguns KPI’s anteriormente usados para a avaliação da performance das empresas e acompanhados pelos stakeholders, foram agora significativamente alterados, dificultando a comparabilidade das empresas do setor, no que se refere à análise do grau de alavancagem e da avaliação das empresas. Como consequência e exemplo, algumas empresas passaram a apresentar o EBITDA AL (EBITDA After Leases), um novo KPI que difere significativamente do atual EBITDA, agora sem os gastos de arrendamentos e juros, ou seja, de montante significativamente superior ao EBITDA AL. Será o início do regresso ao passado e dar-se-á a substituição deste KPI pelo Cash Flow?

Apesar das Normas Internacionais de Contabilidade pretenderem a harmonização das informações financeiras apresentadas pelos emissores de valores mobiliários na União Europeia e garantir uma maior transparência e comparabilidade, é necessário a definição de um modelo “único” de divulgação das contas ao mercado e dos KPI’s apresentados, de modo a que uma nova norma, como a IFRS16, não prejudique a comparabilidade das empresas do setor.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Que impacto poderá ter o OE no sector dos Produtos de Grande Consumo?

Muito já se escreveu sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2022. No entanto, e ainda que fosse desejável que esta fosse mais arrojada no que respeita às medidas fiscais, várias das suas medidas podem ter um maior impacto no setor dos Produtos de Grande Consumo (Consumer Products & Retail, ou CPR).

Adrenalina ligada à corrente, o próximo passo do desporto motorizado

Adoro desportos motorizados desde miúdo e tive a sorte de poder aprender a andar de mota ainda muito novo e ainda mais sorte em ter podido participar em inúmeras competições como o campeonato nacional de motocross, múltiplas bajas e percorrer muitos km no deserto em 2 e 4 rodas.

Como construir (n)o futuro

A construção é um setor com uma cadeia de valor fragmentada o que torna a mudança mais desafiante. No entanto, com a necessidade de sustentabilidade ambiental, a digitalização, a industrialização, a escassez de mão de obra e a pressão sobre os preços, as empresas de construção têm de rever a sua estratégia para continuar a prosperar numa indústria que está a mudar rapidamente.
Comentários