Imobiliário: Casafari capta cinco milhões de euros para expandir negócio na Europa

Fundos Lakestar e Round Hill Capital lideraram ronda de financiamento. Lakestar é um dos maiores fundos de capital de risco da Europa e já investido em empresas como Airbnb, Skype, Spotify, Glovo ou Revolut – com este financiamento concretiza o primeiro em Portugal.

A Casafari captou cinco milhões de euros numa ronda de financiamento liderada pelos fundos Lakestar e Round Hill Capital, anunciou a startup de imobiliário criada em 2018 e com sede em Lisboa, esta terça-feira, 10 de setembro. Com esta injeção no seu capital, a empresa vai expandir o negócio na Europa e continuar a contratar para construir a “base de dados mais completa e limpa do mercado imobiliário no mundo”, explica a empresa em comunicado.

A Lakestar é um dos maiores fundos de capital de risco da Europa e já investido em empresas como Airbnb, Skype, Spotify, Glovo ou Revolut – com este financiamento concretiza o primeiro em Portugal. Já a Round Hil Capital é é um fundo do imobiliário inovador, que aposta em imóveis residenciais, comerciais e em residências de estudantes em toda a Europa.

Com pouco mais de um ano de existência, esta startup de imobiliário oferece ao mercado uma base de dados do mercado imobiliário português, incluindo Madeira e Açores, e o espanhol, com foco em Madrid, Barcelona, Costa do Sol e Ilhas Baleares. No comunicado, a Casafari diz que a sua base de dados já é usada por mais de sete mil profissionais do mercado imobiliário e financeiro, tendo a empresa visto crescer as suas receitas anuais em mais de 600%. Com mais de 70 trabalhadores, 40% da equipa da Casafari foca-se na pesquisa e engenharia em data science e machine learning.

Por isso, a partner na Lakestar, Manu Gupta, justificou o investimento da sua empresa: “Acreditamos que a tecnologia única da Casafari e a sua base de dados vão ser a espinha dorsal do setor imobiliário nos próximos anos”.

“A Casafari é a única empresa que utiliza com sucesso as técnicas de machine learning para indexar, limpar e eliminar as duplicações de todos os anúncios de propriedades disponíveis online, fornecendo uma visão real, completa e atualizada do mercado. Ambos os investidores partilham da nossa visão de trazer o setor imobiliário para a área digital com serviços avançados de dados”, explicou o cofundador da Casafari, citado em comunicado, Nils Henning.

Os agentes do mercado imobiliário utilizam a Casafari para conseguirem conectar-se, realizando negócios partilhados através de uma plataforma segura. Esta startup de imobiliário – fundada por Mila Suhareva, Nils Henning e Mitya Moskalchuk -,  trabalha com imobiliárias como a Sotheby’s International Realty, Coldwell Banker, Savills, Fine & Country, vários franchises da RE/MAX, Engel & Voelkers, Keller Williams entre outros.

Ler mais
Relacionadas

Como a inteligência artificial pode estar ao serviço do setor do imobiliário

A plataforma de inteligência artificial, que agrega e atualiza diariamente a informação do mercado de milhares de fontes, tem como missão e visão tornar o imobiliário mais transparente, ao construir a base de dados mais completa e ‘limpa’ do mundo.

Casafari pretende contratar mais 50 profissionais em Portugal

A plataforma online do mercado imobiliário quer reforçar a sua equipa no território nacional e está a recrutar, pelo menos, 50 profissionais para vários departamentos até ao final deste ano.

“Comprar casa para nós foi a pior experiência de sempre”

Em Portugal há cerca de um ano, a empresa gerida pelo casal alemão conta já com mais de mil clientes e 24 mil imóveis únicos registados, olhando para o nosso país como a sua ‘ostra’. Apesar de estar atenta ao mercado imobiliário a nível mundial.

Imovirtual estabelece parceria estratégica com a Casafari

Objetivo desta união passa por “melhorar a experiência dos profissionais do setor imobiliário.”
Recomendadas

CCB espera escolher e fazer contrato ainda este ano para hotel e zona comercial

Em causa está a análise da única proposta candidata ao projeto, apresentada pela construtora Mota-Engil, e a comissão criada para o efeito terá ainda de avaliar se são cumpridos todos os requisitos do caderno de encargos.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Operadores do alojamento local em Lisboa ponderam “migrar” para arrendamento habitacional

No seu entender, a transição destes estabelecimentos para o arrendamento permanente “é uma oportunidade enorme” para fazer aumentar a oferta de habitação.
Comentários