Imposto de 50 dólares por tonelada de CO2 pode triplicar incumprimento do crédito dos setores da energia e petróleo

Um estudo da Oliver Wyman concluiu que a introdução de uma taxa de imposto de 50 dólares por tonelada sobre as emissões de dióxido de carbono (CO2) das empresas que atuam nas indústrias da energia e do petróleo pode triplicar o seu risco de incumprimento do crédito.

Zbynek Burival on Unsplash

No estudo, intitulado “Climate Change: three imperatives for financial services“, a consultora centrou a sua análise nas indústrias de energia e petróleo que, “em conjunto, representam cerca de 40% das emissões de gases com efeitos de estufa a nível global” e analisou a introdução de impostos sobre a emissão de CO2 “porque esta é uma das mais citadas e potenciais respostas políticas” para reduzir as emissões de CO2.

“Os resultados são surpreendentes: em média, a probabilidade de incumprimento aumenta entre duas a três vezes nestes setores”, alerta a Oliver Wyman.

Assim, “isto pode resultar em perdas de entre 50 mil milhões a 300 mil milhões de dólares em créditos contraídos por empresas dos dois setores”. “Extrapolando estes números para a economia mais alargada, estimamos que um bilião de dólares poderá estar em risco”, frisa o estudo.

Desta forma, a Oliver Wyman considera que existe uma maior probabilidade de os riscos climáticos se tornarem numa consideração cada vez mais relevante na seleção de ativos, preçário e gestão de portfólios.

Existe o “risco de que os bancos e outros investidores tenham estado inadvertidamente a aumentar a exposição a riscos materiais que não tenham sido compreendidos ou tidos em consideração nas decisões de crédito”, adianta a consultora.

A OW estima que quanto maior a exposição do balanço de um banco a estes dois setores e quanto mais conceder crédito a investidores que neles invistam, mais prováveis são as perdas em créditos concedidos.

Ler mais

Recomendadas

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.

Novo Banco: Marcelo não comenta venda de seguradora com 70% de desconto e diz que vai esperar pela auditoria

O Chefe de Estado disse que vai esperar pela auditoria à gestão do banco liderado por António Ramalho, pedida pelo Governo à Deloitte, e que as consequências dos negócios ruinosos do Novo Banco só poderão ser determinadas depois de conhecidos os resultados da auditoria.
Comentários