Imposto de 50 dólares por tonelada de CO2 pode triplicar incumprimento do crédito dos setores da energia e petróleo

Um estudo da Oliver Wyman concluiu que a introdução de uma taxa de imposto de 50 dólares por tonelada sobre as emissões de dióxido de carbono (CO2) das empresas que atuam nas indústrias da energia e do petróleo pode triplicar o seu risco de incumprimento do crédito.

Zbynek Burival on Unsplash

No estudo, intitulado “Climate Change: three imperatives for financial services“, a consultora centrou a sua análise nas indústrias de energia e petróleo que, “em conjunto, representam cerca de 40% das emissões de gases com efeitos de estufa a nível global” e analisou a introdução de impostos sobre a emissão de CO2 “porque esta é uma das mais citadas e potenciais respostas políticas” para reduzir as emissões de CO2.

“Os resultados são surpreendentes: em média, a probabilidade de incumprimento aumenta entre duas a três vezes nestes setores”, alerta a Oliver Wyman.

Assim, “isto pode resultar em perdas de entre 50 mil milhões a 300 mil milhões de dólares em créditos contraídos por empresas dos dois setores”. “Extrapolando estes números para a economia mais alargada, estimamos que um bilião de dólares poderá estar em risco”, frisa o estudo.

Desta forma, a Oliver Wyman considera que existe uma maior probabilidade de os riscos climáticos se tornarem numa consideração cada vez mais relevante na seleção de ativos, preçário e gestão de portfólios.

Existe o “risco de que os bancos e outros investidores tenham estado inadvertidamente a aumentar a exposição a riscos materiais que não tenham sido compreendidos ou tidos em consideração nas decisões de crédito”, adianta a consultora.

A OW estima que quanto maior a exposição do balanço de um banco a estes dois setores e quanto mais conceder crédito a investidores que neles invistam, mais prováveis são as perdas em créditos concedidos.

Ler mais

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.

Imparidades do Novo Banco desaceleraram depois da venda à Lone Star

O Novo Banco constituiu menos novas imparidades depois da venda à Lone Star. O ano em que o banco constituiu maior volume de imparidades foi em 2017, ano da venda ao fundo norte-americano.
Comentários