Imprensa norte-americana denúncia que Rússia vai fornecer satélite sofistacado ao Irão

A Rússia vai fornecer um satélite sofisticado ao Irão, o que melhorará significativamente as capacidades de espionagem da República Islâmica, informou esta sexta-feira o diário norte-americano Washington Post.

5 – Rússia (2,2 mil toneladas)

O satélite Kanopus-V, com uma câmara de alta resolução, permitirá ao Irão vigiar as instalações dos seus adversários em todo o Médio Oriente, explica o jornal, citando responsáveis atualmente ou anteriormente em cargos nos Estados Unidos ou no Médio Oriente.

As informações são divulgadas a alguns dias da cimeira prevista para 16 de junho em Genebra entre o Presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo norte-americano, Joe Biden, que realiza a sua primeira deslocação ao estrangeiro desde a posse, em janeiro.

Esta pode ser mais uma queixa de Washington contra Moscovo, numa lista que inclui acusações de interferência eleitoral ou de pirataria informática.

O lançamento do satélite, que pode ocorrer nos próximos meses, é resultado de várias viagens à Rússia de dirigentes dos Guardas da Revolução iranianos, uma força de elite das forças armadas da República Islâmica, adianta o Washington Post.

De acordo com as fontes do diário norte-americano, o satélite será lançado a partir da Rússia e contém material fabricado neste país.

Embora não tenha os recursos dos satélites norte-americanos, o Kanopus-V pode ser utilizado pelo Irão para espiar locais específicos, o que gera receios sobre a partilha de informações com o Iémen, o Iraque ou o Líbano, além de outros sobre o desenvolvimento de aviões não tripulados (‘drones’) e de mísseis balísticos por Teerão, segundo um dos responsáveis interrogados pelo jornal.

O Washington Post indica ainda que formadores russos treinaram equipas para a utilização do satélite, em instalações próximas da cidade de Karaj, no norte do Irão.

A compra do satélite dará a Teerão uma maior capacidade de vigilância sobre o Golfo, as bases israelitas e a presença militar norte-americana no Iraque.

Recomendadas

G7. Primeiro-Ministro britânico considera “momento histórico” declaração para prevenir futuras pandemias

“Com este acordo, as principais democracias do mundo vão comprometer-se a evitar que uma pandemia global volte a acontecer, para que a devastação causada pela covid-19 nunca se repita”, disse Boris Johnson, na sua conta na rede social Twitter.

Covid-19: Pandemia aumenta trabalho infantil e deixa mais longe meta de erradicação em 2025

No Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, as organizações sociais levantam a necessidade e urgência de agir para implementar medidas que corrijam as deficiências identificadas na proteção das crianças e superem a estagnação que, pela primeira vez em 20 anos, ocorreu neste objetivo que deveria ser alcançado em quatro anos.

G7: Líderes da UE alertam Londres para respeitar acordo de saída

Em causa estão divergências sobre a aplicação do acordo na Irlanda do Norte, onde o Reino Unido tomou medidas unilaterais para mitigar o impacto da introdução de controlos aduaneiros na circulação de algumas mercadorias, como produtos alimentares frescos. 
Comentários