Incêndios: MP recorre da ida a julgamento de Valdemar Alves devido a “razões meramente jurídicas”

O MP recorreu para ao Tribunal da Relação de Coimbra da decisão do juiz de instrução de levar a julgamento autarca de Pedrógão Grande, no âmbito do processo relacionado com os fogos de junho de 2017, que fizeram 66 mortos. Questiona admissibilidade legal de despacho de juiz, argumentando que o processo, na fase de inquérito, não foi arquivado ou dirigido contra Valdemar Alves.

O Ministério Público vai recorrer para o Tribunal da Relação de Coimbra da pronúncia do presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, relativa à decisão do juiz que liderou a fase de instrução de levar o autarca a  julgamento. E esclarece que a decisão não quer Valdemar Alves em julgamento sobre fogos de Pedrógão Grande “assentou em razões meramente jurídicas, das quais não pode abdicar enquanto defensor da legalidade democrática”.

O esclarecimento surge depois de no início desta semana ter sido noticiado que o MP recorreu para ao Tribunal da Relação de Coimbra da decisão do juiz que liderou a fase de instrução de levar a julgamento Valdemar Alves, autarca de Pedrógão Grande, no âmbito do processo relacionado com os fogos de junho de 2017, que fizeram 66 mortos.

Face às notícias publicadas a propósito do recurso apresentado pelo Ministério Público à pronúncia do arguido Valdemar Alves, o MP avança, no seu site da Procuradoria Geral  Distrital de Coimbra, que “cumpre esclarecer que a decisão do Ministério Público assentou em razões meramente jurídicas, das quais não pode abdicar enquanto defensor da legalidade democrática”.

Já depois de ter publicado a decisão no seu site, o Ministério Público vem agora esclarecer que   “não coloca em causa os indícios que o Meritíssimo Juiz de Instrução reconheceu ao pronunciar o arguido (na sequência de diligências produzidas na fase de instrução), mas apenas a admissibilidade legal deste despacho porquanto entende que o processo, na fase de inquérito, não foi arquivado ou dirigido contra Valdemar Alves”.

O MP dá ainda conta que “ idêntica postura processual havia sido já adoptada pelo Ministério Público aquando do recurso anteriormente apresentado pelo arguido Valdemar Alves ao pugnar pela sua procedência”.

Recorde-se que, em março deste ano, o presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande apresentou um recurso para deixar de ser arguido, tendo na altura o seu advogado salientado que “o Ministério Público entendeu que não há acusações. Não só não o constituiu arguido, como não o acusou”.

O MP avançou nesta segunda-feira, 7 de Outubro, que “no processo relativo aos incêndios de Pedrogão Grande, actualmente na fase da instrução, foi proferido despacho a admitir os recursos oportunamente interpostos pelo Ministério Público, relativamente à não pronúncia dos arguidos Sérgio Gomes, Mário Cerol e José Graça e à pronúncia do arguido Valdemar Alves”.

Na decisão publicada no seu site no início da semana o MP dá conta que ”nesse despacho, determinou-se que os recursos subissem em conjunto e nos próprios autos ao tribunal superior, essencialmente por razões de economia, celeridade e coerência processual, tendo em conta as questões jurídicas suscitadas, a impor a tramitação unitária, num processo com repercussão comunitária e de grande dimensão”.

O MP publicou no seu site nesta segunda-feira que  também recorreu da decisão do mesmo juiz em não levar a julgamento José Graça, vice-presidente da Câmara de Pedrógão Grande, e Sérgio Gomes e Mário Cerol, primeiro e segundo comandantes distritais da Proteção Civil.

Ler mais
Relacionadas

Presidente da câmara de Pedrógão Grande constituído arguido

Valdemar Alves foi constituído arguido na quarta-feira passada, elevando o número de envolvidos no processo conduzido pela Procuradoria-Geral da República para 11.
Recomendadas

Tribunal Constitucional rejeita pedido do PSD sobre votos nulos da emigração

A tomada de posse da Assembleia da República e do Governo pode acontecer ainda esta semana.

Isabel dos Santos: “Alegada investigação criminal” em curso vai ter como destino o “arquivamento”

O Novo Jornal noticiou que a PGR angolana vai avançar com um processo criminal contra a empresária. Em reação, a empresária diz ao JE que o Governo de João Lourenço não tem vontade de combater a corrupção no país e que em Angola existe apenas uma “agenda política de perseguição e manobras de diversão da opinião pública”.

Operação Rota do Cabo. Medidas de coação já são conhecidas

Os detidos foram presentes ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para primeiro interrogatório judicial, no dia 16 de outubro.
Comentários