Incêndios: Produtores florestais reclamam mais dinheiro na serra de Monchique

Os produtores florestais consideram que os 600 euros por hectare disponibilizados para a reposição do potencial florestal das áreas atingidas pelo incêndio de agosto de 2018 em Monchique “são insuficientes e muito aquém do necessário”.

Miguel A. Lopes/Lusa

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (ASPAFLOBAL), Emílio Vidigal, considerou que as verbas “atribuídas a pequenos projetos através do Programa de Desenvolvimento Rural 2020 não pagam o custo da operação, que ronda os cerca de dois mil euros por hectare”.

“As verbas são insuficientes e o processo é extremamente burocrático, o que nos levou a pedir a prorrogação do prazo para a apresentação das candidaturas”, justificou.

O prazo para a apresentação das candidaturas ao Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020) para apoio aos produtores florestais terminava em 31 de janeiro, mas foi prorrogado até ao final do mês de fevereiro.

O presidente da ASPAFLOBAL indicou que já foi explicado “várias vezes ao Governo que os dinheiros disponibilizados por hectare são insuficientes e não são atrativos para que os produtores apresentem candidaturas para cortar a madeira queimada e fazer plantações com outras espécies mais resistentes ao fogo”.

Segundo Emílio Vidigal, neste momento a associação tem concluídas 20 candidaturas, prevendo-se um total de 30 até ao final do mês, “mas são de pequenos projetos, áreas muito residuais”.

“São projetos que temos vindo a incentivar para a retirada de pequenas bolsas de eucaliptos situadas na encosta sul de Monchique, mas falamos de pequenas áreas de dois ou três hectares”, sublinhou.

O dirigente indicou que os trabalhos de retirada de eucaliptos ou árvores ardidas e a plantação de novas espécies – sobreiros, medronheiros, castanheiros – mais resistentes ao fogo “tem um custo de operação muito superior ao apoio concedido, o que desincentiva os produtores”.

“Infelizmente, o incêndio causou uma grande perda na economia florestal do concelho e as medidas florestais estão muito burocratizadas. Tem sido muito difícil responder aos proprietários florestais e vai ser muito difícil repor o potencial florestal”, destacou.

Na opinião de Emílio Vidigal, “houve alguns anúncios por parte do Governo, de disponibilidade para colaborar, mas a colaboração tem sido só em termos de apaziguar, porque em termos concretos as burocracias são muitas”.

A medida PDR2020, referiu, “não é convidativa”, até porque “não é uma medida de exceção de apoio ao incêndio de Monchique, mas, sim, uma medida genérica prevista no quadro comunitário que existe sempre”.

“Isto [os apoios florestais] não é nada específico para o incêndio de Monchique. O máximo de 600 euros por hectare não é atrativo para quem queira tirar eucaliptos substituindo-os por castanheiros ou sobreiros. Se vai gastar dois mil euros por hectare, é um apoio, porque o dinheiro concedido não paga as operações”, concluiu.

O verão de 2018 ficou marcado pelo grande incêndio de Monchique, o maior registado no ano passado em Portugal e que durante uma semana não deu tréguas aos bombeiros, consumindo mais de 27 mil hectares de floresta e terrenos agrícolas.

O fogo, que deflagrou há seis meses, em 03 de agosto, na zona da Perna Negra, em Monchique, alastrou primeiro para o Alentejo, tocando o concelho de Odemira (distrito de Beja), sem grande impacto, e logo depois, com mais violência, para Silves e Portimão (distrito de Faro), destruindo ao todo 74 casas.

Ler mais
Recomendadas

Gondomar acolhe Festival Nacional de Robótica

O evento promovido pela Sociedade Portuguesa de Robótica (SPR).

PremiumLisboa vai cobrar nova taxa a quem apanhar táxi na Portela

Autarquia admite negociação para novo regulamento de acesso de veículos ao aeroporto da capital. Presidente da Antral rejeita cobrança adicional.

Governo quer mais famílias de acolhimento e vai rever medida para mais direitos e apoios

Fonte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) explicou que, desta forma, o Governo se propõe rever e reformular esta medida de proteção, na sequência das propostas de um grupo de trabalho criado em 2017 e constituído pelo Instituto da Segurança Social, Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e Casa Pia.
Comentários