Incêndios: Produtores florestais reclamam mais dinheiro na serra de Monchique

Os produtores florestais consideram que os 600 euros por hectare disponibilizados para a reposição do potencial florestal das áreas atingidas pelo incêndio de agosto de 2018 em Monchique “são insuficientes e muito aquém do necessário”.

Miguel A. Lopes/Lusa

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de Produtores Florestais do Barlavento Algarvio (ASPAFLOBAL), Emílio Vidigal, considerou que as verbas “atribuídas a pequenos projetos através do Programa de Desenvolvimento Rural 2020 não pagam o custo da operação, que ronda os cerca de dois mil euros por hectare”.

“As verbas são insuficientes e o processo é extremamente burocrático, o que nos levou a pedir a prorrogação do prazo para a apresentação das candidaturas”, justificou.

O prazo para a apresentação das candidaturas ao Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020) para apoio aos produtores florestais terminava em 31 de janeiro, mas foi prorrogado até ao final do mês de fevereiro.

O presidente da ASPAFLOBAL indicou que já foi explicado “várias vezes ao Governo que os dinheiros disponibilizados por hectare são insuficientes e não são atrativos para que os produtores apresentem candidaturas para cortar a madeira queimada e fazer plantações com outras espécies mais resistentes ao fogo”.

Segundo Emílio Vidigal, neste momento a associação tem concluídas 20 candidaturas, prevendo-se um total de 30 até ao final do mês, “mas são de pequenos projetos, áreas muito residuais”.

“São projetos que temos vindo a incentivar para a retirada de pequenas bolsas de eucaliptos situadas na encosta sul de Monchique, mas falamos de pequenas áreas de dois ou três hectares”, sublinhou.

O dirigente indicou que os trabalhos de retirada de eucaliptos ou árvores ardidas e a plantação de novas espécies – sobreiros, medronheiros, castanheiros – mais resistentes ao fogo “tem um custo de operação muito superior ao apoio concedido, o que desincentiva os produtores”.

“Infelizmente, o incêndio causou uma grande perda na economia florestal do concelho e as medidas florestais estão muito burocratizadas. Tem sido muito difícil responder aos proprietários florestais e vai ser muito difícil repor o potencial florestal”, destacou.

Na opinião de Emílio Vidigal, “houve alguns anúncios por parte do Governo, de disponibilidade para colaborar, mas a colaboração tem sido só em termos de apaziguar, porque em termos concretos as burocracias são muitas”.

A medida PDR2020, referiu, “não é convidativa”, até porque “não é uma medida de exceção de apoio ao incêndio de Monchique, mas, sim, uma medida genérica prevista no quadro comunitário que existe sempre”.

“Isto [os apoios florestais] não é nada específico para o incêndio de Monchique. O máximo de 600 euros por hectare não é atrativo para quem queira tirar eucaliptos substituindo-os por castanheiros ou sobreiros. Se vai gastar dois mil euros por hectare, é um apoio, porque o dinheiro concedido não paga as operações”, concluiu.

O verão de 2018 ficou marcado pelo grande incêndio de Monchique, o maior registado no ano passado em Portugal e que durante uma semana não deu tréguas aos bombeiros, consumindo mais de 27 mil hectares de floresta e terrenos agrícolas.

O fogo, que deflagrou há seis meses, em 03 de agosto, na zona da Perna Negra, em Monchique, alastrou primeiro para o Alentejo, tocando o concelho de Odemira (distrito de Beja), sem grande impacto, e logo depois, com mais violência, para Silves e Portimão (distrito de Faro), destruindo ao todo 74 casas.

Ler mais
Recomendadas

Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

“Obviamente que não esperávamos este desfecho”, admitiu o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos. O governante disse esta terça-feira que uma das partes quis definir resultados antes da negociação.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Sindicato dos motoristas de matérias perigosas anuncia novas formas de luta amanhã

O SNMMP contraria associação patronal: “Estamos dispostos a partir para um processo de mediação”. “Possível paralisação” está em cima da mesa.

Antram: “O sindicato dos motoristas de matérias perigosas recusa mediação”

O porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, afirma que os motoristas de matérias perigosas querem “impor à cabeça aumentos”. “Não é assim que os processos se passam”, disse.
Comentários