Índice de confiança do ISEG na economia volta a subir em maio

O índice de confiança do Instituto Superior de Economia e Gestão na evolução da economia no curto prazo fixou-se em 33,2 no mês passado.

Cristina Bernardo

O índice de confiança do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) na evolução da economia no curto prazo voltou a subir em maio, para 33,2, o que representa um aumento de 1,7 pontos percentuais relativamente ao valor do mês anterior.

“Em termos homólogos a variação percentual do índice passou de 26% em abril para 30,7% em maio devido ao efeito base decorrente da queda abrupta do índice em 2020. Aumentou o consenso dos membros do Painel relativamente à evolução da economia”, explicam os especialistas desta faculdade de economia e gestão da Universidade de Lisboa.

Os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre este tema, referentes a 28 de maio, indicam que indicadores de confiança dos consumidores e de clima económico continuaram a subir “significativamente” no mês passado, tal como nos dois anteriores, ultrapassando inclusive os níveis do início da pandemia.

Os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deram conta de que “o indicador de confiança dos consumidores aumentou significativamente nos últimos três meses, atingindo o valor máximo desde fevereiro de 2020 (resultados do último inquérito não afetados pela evolução da pandemia)”, informou o INE.

Já o índice de confiança do ISEG pode variar entre 0 e 100 e é atribuído por um painel de 18 professores da instituição académica com base em informação quantitativa e qualitativa previamente recolhida e que inclui os apuramentos de um inquérito realizado mensalmente a todos os docentes. Logo, a economia portuguesa ainda se encontra longe de estar pelo menos a meio da escala.

Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

“Recuperação económica tem de ser feita com os olhos postos no futuro”, diz António Costa

O líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, salientou hoje que a recuperação económica do país “tem que ser feita com os olhos postos no futuro”, considerando essencial assegurar condições às novas gerações para se autonomizarem.

PremiumPensionistas vão receber metade do salário em 20 anos

Bruxelas estima que capacidade das pensões de substituição dos rendimentos do trabalho cai em Portugal de 74% em 2019 para 54,5% em 2040.
Comentários