Indie Campers já ultrapassou os 10 milhões de euros

Começaram com três carrinhas destinadas ao segmento dos surfistas. Para o ano contam chegar às mil, para toda a gente. E aumentar os postos de recolha na Europa.

Aquela que começou por ser uma ideia inesperada engendrada há meia dúzia de anos, nem tanto, por dois jovens amigos, a Indie Campers – que se dispunha a alugar autocaravanas a uma tribo cada vez mais numerosa de turistas – ultrapassou no final de 2018 um volume de negócios de 10 milhões de euros.

O crescimento exponencial da empresa – que de uma boa ideia passou a ser o bom negócio – fica também atestado pela expansão da frota (que não passa despercebida em parte nenhuma, no que foi o acrescento ao negócio de uma boa ideia de marketing), atualmente composta por 650 carrinhas, mas que, acompanhando a faturação, deverá chegar à barreira das mil unidades.

Para valores de 2017, a frota de 650 unidades proporcionou um volume de negócios que atingiu os seis milhões de euros, só possíveis porque o negócio internacionalizou-se e nesta altura já percorre uma parte substancial das estradas (e dos caminhos em terra batida) da Europa.

A Indie Campers foi fundada em 2013 pelo português Hugo Oliveira e pelo austríaco Stefan Koeppl, ambos estudantes universitários e amigos, na altura com apenas 24 anos. Para passar a ideia do papel para a estrada, os dois fundadores adquiriram três autocaravanas num leilão e adaptaram-nas ao design que a frota da Indie Campers tem hoje, pelas suas próprias mãos e com a ajuda de amigos e familiares.

O que no início era um projeto voltado para surfistas portugueses que quisessem percorrer a costa do país em busca das melhores ondas, depressa se transformou num negócio que superou as expectativas.

A empresa veio revolucionar o mercado de aluguer de autocaravanas ao oferecer veículos dotados de tecnologia de ponta e ao dar aos clientes a possibilidade de terminarem a viagem em qualquer centro de recolha da Indie Campers na Europa, mesmo que diferente daquele de onde partiram.

A expansão prevista para o exercício de 2019 tem exatamente como um dos pilares o aumento do número de centro de recolhas espalhados pela Europa, o que permite acrescentar mobilidade ao sistema criado pelos dois jovens.

Ainda ao nível económico, e em pouco mais de quatro anos, a empresa passa de um universo local com dois colaboradores e três carrinhas para um universo europeu com 100 colaboradores. Atualmente está em Portugal, Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha, Suíça, Itália, Croácia e Inglaterra e nas ilhas da Córsega, Sardenha e Sicília.  Em 2019 vai passar a estar também na Escócia, Irlanda e Islândia.

Embora cerca de 90% dos clientes seja de origem estrangeira, a empresa tem vindo a crescer significativamente em Portugal, o que conferiu ao negócio mais um ponto de crescimento – possível porque o universo de potenciais clientes rapidamente se estendeu dos surfistas para o público em geral.

Assim, e ao contrário do que parecia ser lógico, os clientes situam-se numa faixa etária entre os 25 e os 44 anos, bem acima do que estava inicialmente previsto. E o número de clientes que estão numa faixa etária superior àquela não para de aumentar – o que permite igualmente alavancar um potencial de crescimento da faturação para os níveis propostos.

Com preços muito competitivos em relação a soluções mais tradicionais – a que se acrescenta uma mobilidade assinalavelmente maior que um quarto de hotel… – a Indie Campers passou em cinco anos de uma ideia gira para o negócio sexy.

Ler mais
Relacionadas

Startup de ‘road trips’ tem 150 ofertas de trabalho (com direito a pequeno-almoço no escritório)

A Indie Campers procura funcionários para os departamentos de estratégica, operações, logística, marketing, logística, finanças, assistência ao cliente em Portugal, Itália, Suíça, Alemanha, Croácia, Bélgica, Holanda, Reino Unido, França e Espanha.
Recomendadas

London Stock Exchange coloca Sogrape entre as mil empresas mais inspiradoras

Segundo Fernando da Cunha Guedes, CEO da produtora nacional de vinhos, “este é um reconhecimento muito importante para a Sogrape, que há muito ganhou escala e força internacional, mas continua sempre empenhada em fazer mais e melhor”.

Galpgate. Ex-secretários de Estado poderão ser acusados no âmbito das viagens ao Euro 2016

A juíza Cláudia Pina, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, recusou o pedido de suspensão provisória do processo. O processo-crime contra os ex-secretários de Estado, Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira e contra o ex-assessor de António Costa e poderão ser acusados pelo crime de recebimento indevido de vantangem.
Comentários