Indústria 4.0: projeto português na short list de prémio europeu

O projeto Zero Defects 4.0 – que resulta de um consórcio de seis entidades, incluindo empresas, universidades e institutos de investigação – está nomeado para os EIT Awards (European Institute of Innovation & Technology) 2020, na categoria Innovators.

O projeto Zero Defects 4.0 – que permitirá, através de sistemas avançados de análise preditiva, antecipar defeitos na produção de painéis derivados de madeira, reduzindo o desperdício de matérias-primas e o consumo de energia associada aos processos –, está nomeado para os Prémios EIT (European Institute of Innovation & Technology) 2020, na categoria Innovators, que reconhece o desenvolvimento de produtos e serviços com impacto significativo para um futuro sustentável.

Para esta nomeação, que o coloca entre os melhores projetos europeus de inovação, contribuíram o facto de se tratar de um projeto de ponta na indústria 4.0, aplicado a um setor tipicamente percecionado como tradicional, e o facto dos resultados do projeto serem diretamente aplicados num contexto industrial real.

Ana Machado Silva, Senior Project Manager da Sonae e coordenadora do projeto, explica, em comunicado: “O projeto colaborativo Zero Defects 4.0 criou um sistema de apoio à decisão na produção dos painéis derivados de madeira da Sonae Arauco. Com este desenvolvimento, que incorpora inteligência artificial de ponta, será possível prever a melhor combinação de parâmetros de processo, que se espera culminará numa redução de defeitos, até um patamar de defeitos zero.” E acrescenta: “Esta nomeação para o prémio EIT, na categoria Innovators, é um reconhecimento do potencial deste projeto num contexto europeu de inovação industrial.”

Ao utilizar dados do próprio processo industrial, o Zero Defects 4.0 permitirá não só diminuir as incidências de não conformidade, aumentando a qualidade dos painéis produzidos, mas também obter a maior eficiência possível, nomeadamente de recursos, através da redução de desperdícios.

Esta inovação, colaborativa e disruptiva no contexto industrial, é resultado do trabalho de um consórcio que combina a experiência de produção e a visão industrial  da Sonae Arauco com as capacidades de investigação e de análise de dados aplicada à indústria do INESC TEC – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e do Laboratory for Manufacturing Systems and Automation (LMS, Universidade de Patras, Grécia); com a experiência em tecnologia e inovação da InnoWave, uma empresa portuguesa de base tecnológica com operação em diversos continentes; e com o know-how da Sonae em gestão de projetos.

O projeto agora nomeado terá um impacto direto na redução de desperdício de matérias-primas e do consumo de energia associada aos processos. Atualmente, as não conformidades dos painéis derivados de madeira, soluções para aplicação em cozinhas, mobiliário, pavimentos e decoração de interiores, levam ao desperdício de matérias-primas para produção de painéis subótimos e a constrangimentos no fornecimento a clientes industriais cada vez mais exigentes.

O consórcio estima que o Zero Defects 4.0 permita, numa fase inicial do arranque do projeto, a redução de 10% das não conformidades de qualidade com gradual aumento, por aprendizagem automática dos modelos implementados, até à visão final dos zero defeitos. Além disso, o projeto resultará em ganhos de produtividade, alavancados por uma maior disponibilidade da linha de produção, resultante das melhorias geradas pelos dados nos processos de decisão. “

O projeto teve início em janeiro de 2020 e terminará no final deste ano. Sendo bem-sucedida a validação, agora em implementação na unidade industrial da Sonae Arauco em Oliveira do Hospital, a comercialização e implementação estão previstas para 2021.

O Zero Defects 4.0, que envolve um investimento de mais de 500 mil, é cofinanciado pelo EIT Manufacturing, uma das comunidades de inovação do EIT, uma entidade criada pela União Europeia que visa fomentar as iniciativas de tecnologia e inovação no espaço europeu. Os vencedores são anunciados a 9 de dezembro.

Ler mais
Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários