Premium“Indústria de cimento arrisca fechar fábricas”, afirma ATIC

Consumo de cimento no mercado interno tem estado a recuperar, mas ainda está 70% abaixo do máximo histórico. As exportações têm sido a solução, mas a subida de importações pode vir a fechar fábricas, segundo Gonçalo Salazar Leite, presidente da Associação Técnica para a Indústria de Cimento.

Passadas as diversas crises vividas pela indústria nacional de cimento, parece estar a recuperar lentamente, com aumentos consecutivos do consumo de cimento desde 2015. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, Gonçalo Salazar Leite, presidente da ATIC – Associação Técnica para a Indústria de Cimento, explica que, mesmo assim, os níveis de consumo interno estão 70% abaixo do máximo histórico. E se a indústria passou a tempestade sem fechar fábricas, apostando forte na vertente das exportações, o futuro apresenta várias nuvens negras, que podem levar ao encerramento e à deslocalização de unidades fabris, com efeitos nefastos ao nível do emprego e da economia nacional e europeia. Gonçalo Salazar Leite explica porquê e apresenta as soluções.

Como é que está a evoluir o consumo de cimento em Portugal? Já passámos definitivamente a crise?
Excetuando o ano de 2015, em que houve uma primeira ligeira inversão, o mercado nacional de cimento em termos internos caracterizou-se por uma redução de consumo muito prolongada, que começou em 2001. Foi nesse ano de 2001 que se registou o pico do consumo interno de cimento. Não foi só uma crise. Para nós, foi uma sucessão de crises. A partir de 2002, verificámos uma crescente falta de dinamismo da atividade de construção civil em Portugal, a que depois se junta a crise das dívidas soberanas e, mais tarde, a crise dos mercados financeiros mundiais. Como disse, depois de 2015, em 2016, verificou-se uma nova quebra do consumo de cimento em Portugal. A recuperação só começou de forma consistente em 2017, com um crescimento de aproximadamente 5%, e em 2018, com uma subida estimada em 10%.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Venda da Cimpor: como se desfez o ‘império’ cimenteiro em Portugal

A Cimpor chegou a operar em quatro continentes e em 12 países. A empresa extingue-se, mas permanece a marca. E fica a promessa dos turcos em “fazer da Cimpor novamente uma grande empresa”.
Recomendadas

PremiumValérius afasta para já produção da Dielmar em Marrocos

interessada na Dielmar admitiu vir a transferir a produção para Marrocos, porque na Europa a especialização do sector está a desaparecer. CEO admite ao JE que será um processo a dez, 15 anos.

Huawei foi excluída do 5G do Reino Unido devido a pressão americana, diz antigo ministro britânico

“Não teve nada a ver com segurança nacional”, afirma Vince Cable, citado pela Euractiv, contrariando os argumentos invocados por Boris Johnson quando em 220 baniu a empresa chinesa da construção da rede de 5G no país.

NOS distingue-se no combate às alterações climáticas

O CDP – Disclosure, Insight, Action atribuiu pelo segundo ano consecutivo o rating A- à operadora de telecomunicações portuguesa.
Comentários