Inflação a zero tem impacto no poder de compra

A inflação de outubro em Portugal foi aquilo que se pode chamar de um número redondo: 0%. Será que existe o perigo de uma espiral deflacionista em Portugal?

A inflação de outubro em Portugal foi aquilo que se pode chamar de um número redondo: 0%. Os preços em outubro mantiveram-se inalterados face a setembro e também em relação a outubro de 2018. Existe o perigo de uma espiral deflacionista em Portugal?

Mesmo registando a segunda inflação mais baixa da zona euro, é muito improvável que Portugal enfrente uma situação de deflação nos próximos tempos. Apesar de a inflação média continuar a recuar (está em 0,4%), a inflação homóloga sobe há três meses e a inflação subjacente está em terreno positivo desde agosto. Dito de outra forma, a inflação já terá batido no fundo.

Devemos ter em mente algumas decisões políticas com impacto relevante no nível de preços, no que toca aos transportes, eletricidade, gás natural, manuais escolares e propinas. Mas se a inflação reflete essa baixa de preços administrados, também mostra que continua a não sobrar assim tanto dinheiro aos portugueses, caso contrário haveria maior pressão pelo lado da procura.

Tendo em conta, sobretudo, o aumento substancial previsto do salário mínimo, a subida das rendas comerciais e o turismo, é de esperar que a inflação acelere em 2020. Esse facto, aliado ao agravamento da carga fiscal, retirará poder de compra àqueles cujo aumento de rendimentos em 2020 resulte, precisamente, da indexação à inflação de 2019.

Recomendadas

A História está de regresso à Velha Europa

Ficou célebre a frase de Lord Ismay sobre a NATO. Esta, dizia, foi criada para “manter os russos fora, os americanos por dentro e os alemães em baixo”.

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.
Comentários