InnoEnergy forma líderes para gerir transição energética em parceria com o Técnico

Em entrevista ao Jornal Económico, Krzysztof Pikon, diretor da InnoEnergy e responsável pelo mestrado em Transição Energética explica a quem se destina o programa, quanto custa e os objetivos a atingir. Há bolsas de estudo para os melhores candidatos.

Krzysztof Pikon, diretor da InnoEnergy em Transição Energética e responsável pelo mestrado com o mesmo nome, explica ao Jornal Económico quanto custa, quando começa e as mais valias de o frequentar.

Em que medida o mestrado em Transição Energética que a InnoEnergy vai lançar em parceria com o Instituto Superior Técnico responde a uma necessidade do mercado?
A transição energética descreve com precisão o que este programa de mestrado oferece e reflete as necessidades deste setor em constante mudança. Além disso, o programa em si mudou e melhorou em muitas partes. Agora desenvolve líderes que podem gerir esta transição. Através do currículo, os alunos aprendem como implementar tecnologias limpas de combustão, como substituir combustíveis fósseis antigos por combustíveis de nova geração e como substituir antigos sistemas por soluções na área das renováveis, abrangendo os antigos e os novos sistemas de energia. A transição energética é uma grande oportunidade para a economia portuguesa. Pode contribuir para o impulsionamento da sua economia e transformar o país num “player” global no setor da energia. Pode ainda posicionar Portugal como uma economia inovadora dominada pelo espírito empreendedor.

Que instituições vão lançar o mestrado? O que compete a cada uma delas?
Em Portugal, o mestrado é lançado pelo Instituto Superior Técnico, uma universidade de renome que, entre outros programas de mestrado da InnoEnergy, é uma das universidades incluídas no programa Energy Transition. Os estudantes recebem dois diplomas: um atribuído pela AGH ou pela Silesian University of Technology, na Polónia, ambas são as melhores universidades da Europa Central; e um pelo IST em Lisboa, uma universidade na vanguarda das energias renováveis.
A InnoEnergy é pioneira na inovação na área da energia sustentável na Europa e no mundo. A educação ajuda a alcançar essa ambição. Cada programa de Mestrado da InnoEnergy forma cerca de 100 alunos que pensam de forma diferente – focados em criatividade, pensamento crítico, empreendedorismo – prontos para resolver problemas e implementar novas soluções. O programa de Transição Energética representa o verdadeiro e autêntico espírito da InnoEnergy – causar impacto e levar o mundo rumo a um futuro sustentável.

A quem se destina o programa?
Os alunos com uma licenciatura na área da Energia, Combustíveis, Engenharia Ambiental são os que mais se adequam. O programa é pensado para candidatos que podem adquirir “skills” e conhecimento em todos os aspetos da transição energética.

Que competências podem os candidatos adquirir?
O programa é baseado no desenvolvimento de três tipos de capacidades: engenharia especializada, gestão e “soft skills”.
Os alunos do programa de mestrado Energy Transition irão adquirir uma visão abrangente dos sistemas de energia presentes e futuros, assim como “skills” e conhecimento especializado em novas tecnologias de energia. Isso incluirá tecnologias de combustão limpas de combustíveis convencionais e combustíveis alternativos, biomassa, gaseificação, resíduos para energia e soluções renováveis. Os estudantes terão um profundo conhecimento e compreensão de como os sistemas de energia funcionam e as suas partes interconectadas, como implementar com sucesso o conceito de economia circular a nível empresarial, nacional e internacional. Os estudantes irão adquirir ainda conhecimentos no processo de inovação a partir de uma perspetiva técnica e de negócios e poderão aplicar efetivamente os seus conhecimentos dentro de empresas existentes ou nas suas próprias empresas.
O programa oferece conhecimentos na área da engenharia, tomada de decisão, gestão, juntamente com “soft skills” relacionadas com a resolução de problemas, “design thinking”, apresentações, trabalho em equipa e liderança.

Qual a duração e o valor da propina?
O MSc Energy Transition é desenhado para que os estudantes passem cada ano numa universidade diferente (AGH/SUT – primeiro ano, IST- segundo ano), o que significa que três universidades parceiras estão envolvidas na implementação deste programa. Cada estudante pode ter dois caminhos diferentes: o primeiro ano na AGH, segundo ano no IST ou primeiro ano no SUT, segundo ano no IST. O valor do mestrado este ano são 8 mil euros por ano. Os melhores candidatos podem ganhar bolsas de estudo que incluem a isenção de propinas e uma bolsa de 750 euros.
Adicionalmente, os estudantes têm assistência do staff em todas as áreas. Desde o início até ao fim do programa, existirá apoio para qualquer problema 24h por dia.

Quando começa o mestrado? Onde? Data das inscrições?
O programa começa em outubro ou março, dando aos estudantes flexibilidade. Durante o segundo ano, os estudantes têm bastante Liberdade de escolha. Ao oferecer várias cadeiras optativas, os alunos têm a possibilidade de adaptar o seu currículo consoante as suas necessidades. Isto é muito bom para aqueles que são ambiciosos e querem mudar o mundo!

 

TRANSIÇÃO ENERGÉTICA

O que é a transição energética e o que implica?
Os sistemas de energia estão em transição. O uso de combustíveis fósseis para produção de eletricidade está a diminuir com as energias renováveis a mudar as regras do jogo. Inúmeras empresas estão envolvidas nesta transição. O aumento das energias renováveis levou o setor energético a mudar de um sistema central para muitas fontes de energia descentralizadas que precisam ser conectadas. Com um número crescente de instalações fotovoltaicas e veículos elétricos ligados à rede, a mudança e o desafio são enormes e há muitos fatores a considerar.
A transformação de milhares de instalações baseadas em combustíveis fósseis está a começar. O programa de mestrado Energy Transition (em português, Transição Energética) fornece skills e conhecimentos sobre como melhorar as instalações existentes para reduzir o seu impacto ambiental.
Atualmente, 1 400 novas centrais a carvão estão a ser construídas em todo o mundo. A produção total de energia a partir de combustíveis fósseis é de 11 148,84 Mtep (unidade de energia definida como o calor libertado na combustão de uma tonelada de petróleo cru). Estes números são mais do que 60% da procura total de energia. O desafio atual no sistema energético mundial é como melhorar a eficiência das centrais existentes.

A economia circular é uma das ideias de desenvolvimento mais rápido do mundo. O setor da energia é uma das chaves para a economia circular. Os alunos do programa de mestrado Energy Transition adquirirão conhecimento para tornar os sistemas de energia melhores, mais eficientes, mais ecológicos, gerando menos desperdício. A transição energética está em curso em todo o mundo. Este é definitivamente o futuro.

Que tipo de empregos vai criar e em que quantidade?
É difícil prever exatamente. No entanto, a transição energética exigirá novos empregos e criará oportunidades. As infraestruturas do setor energético estão a mudar. Esse processo levará tempo e serão criados empregos nesse sentido. Um estudo recente da International Labour Organization (ILO) destacou isso mesmo. De acordo com o seu principal relatório, intitulado “World employment and social outlook 2018: Greening with jobs”, a ação para limitar o aquecimento global a dois graus resultará na criação de 18 milhões de empregos em todo o mundo até 2030. Uma grande parte destes empregos estará ligada à transição do setor da energia.

Ler mais
Recomendadas

Mais de 190 empresas públicas angolanas vão ser privatizadas

A privatização será via Bolsa de Valores, ainda a partir de 2019, para aumentar os níveis de eficiência, anunciou fonte do Ministério das Finanças de Angola.

Circulação do Jornal Económico dispara 70% até abril

A circulação total do Jornal Económico atingiu o valor mais elevado de sempre no segundo bimestre de 2019, com uma subida de 70% para uma média de 9.556 exemplares por edição, nos suportes em papel e digital, segundo os dados hoje divulgados pela Associação Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação (APCT). Obrigado pela sua preferência!

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.
Comentários