Insolvências baixam 13% em setembro e atingem o melhor resultado dos últimos três anos

Lisboa e Porto lideram por distrito, com 755 e 948 insolvências respetivamente. Em relação a 2018, Lisboa apresenta uma diminuição superior a 33%, enquanto o Porto apresenta um ligeiro aumento de 0,6%.

As ações de insolvência registadas em setembro diminuíram 13% relativamente a 2018, com 459 empresas insolventes, menos 69 que no ano passado, sendo que a média mensal é a mais baixa dos últimos três anos, com 749 insolvências/mês face às mais de 1.000/mês em 2016.

A estes números, apurados pela Iberinform, filial da Crédito y Caución (especialista em soluções de gestão para as áreas financeiras, marketing e internacional), junta-se o valor acumulado que traduz um decréscimo de 10%, de 4.162 empresas insolventes em 2018 para 3.745 nos primeiros nove meses de 2019.

Por ações, até final de setembro, as declarações de insolvência requeridas tiveram uma redução de 23%, enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas baixaram de 1.097 para 851 (-19,3%). Os planos de insolvência baixaram de 54 em 2018 para 40 em 2019 e as declarações de insolvência (encerramento de processos) têm um ligeiro aumento de cerca de 3%.

Em termos geográficos, Lisboa e Porto lideram por distrito, com 755 e 948 insolvências respetivamente. Em relação a 2018, Lisboa apresenta uma diminuição superior a 33%, enquanto o Porto apresenta um ligeiro aumento de 0,6%.

Os distritos com reduções mais significativa são Vila Real ao recuar 46,6%, Guarda com uma quebra de 35,8%, Castelo Branco (33,3%), Horta (25%), Viana do Castelo (20,8%), Setúbal (18,8%), Madeira (15,3%) e Portalegre (12%). Seis distritos têm aumentos nas insolvências, com Braga a liderar com um aumento de 28,5% face a 2018.

Os setores com menos empresas insolventes até final de setembro são dos setores de Eletricidade, Gás, Água e Indústria Extrativa, ambos com uma diminuição de quase 55%, seguidos pelo Comércio por Grosso (23,7%), Outros Serviços (20,7%), Construção e Obras Públicas (14,8%), Comércio a Retalho (13,3%) e Comércio de Veículo (9,7%).

Já pela negativa, destacam-se os aumentos de insolvências nas áreas da Agricultura, Caça e Pesca (22,8%), Indústria Transformadora (13,3%) e Transportes (4,5%).

Quase 38 mil novas empresas de janeiro a setembro deste ano

Nos primeiros nove meses deste ano surgiram 37.894 novas empresas, mais 3.741 que em 2018, o que traduz um aumento de 11%. Todos os distritos apresentam aumentos comparativamente com 2018.

O número mais significativo de novas constituições pertence a Lisboa, com 12.580 novas empresas (aumento de 6,4%), seguido pelo Porto com 6.928 (crescimento de 13,3%). O distrito de Setúbal capta 2.903 novos projetos empresariais que traduzem um aumento de 13,8% em relação ao ano passado. Seguem-se Braga com 2.759 empresas, num aumento de 11,7%, Faro com 2.165 empresas, crescendo 13,4%, Aveiro com 1.819 (16,7%), Leiria com 1.382 (10,2%), Coimbra com 1.095 (+21,7%), Santarém com 997 (+11,4%), a Madeira com 849 (4,2%) e Viseu com 773 novas empresas (9,5%).

Os setores com maior número de novas empresas são: Transportes (133,2%), Eletricidade, Gás, Água (81,5%), Indústria Extrativa (40,9%), Construções e Obras Públicas (31,5%), Agricultura, Caça e Pesca (11%) e Comércio a Retalho (8,3%). Não há variações negativas.

Ler mais
Recomendadas

Volume de negócios da Vista Alegre cai 26% no primeiro semestre

Apesar do recuo no primeiro semestre devido à pandemia da Covid-19, a Vista Alegre registou um aumento de 6% do seu volume de negócio no mês de junho, com o aumento das vendas para França, Holanda e Itália.

BES: MP e BdP pedem manutenção de coima a Salgado no processo da compra de ações da ESFG

O Ministério Público e o Banco de Portugal pediram esta segunda-feira ao Tribunal da Concorrência que mantenha a coima de 75.000 euros aplicada ao ex-presidente do BES no processo da compra de ações da ESFG pelo Grupo Alves Ribeiro.

Grécia reabre a voos do Reino Unido mas exige teste negativo

A Grécia vai reabrir os seus aeroportos a voos do Reino Unido a partir de quarta-feira, mas exigirá aos passageiros a apresentação de um teste negativo ao novo coronavírus realizado até três dias antes.
Comentários