Inspeções aos casamentos: Finanças deram orientação ao fisco para “evitar comportamentos intrusivos”

Negócios ligados aos casamentos vão ser alvo de ações de controlo nos próximos três meses. As inspeções começam já no próximo fim de semana e terão como alvo as empresas de catering e de animação, aluguer de espaços, fotógrafos e floristas. Festivais de música vão também receber a visita do fisco.

Cristina Bernardo

A Autoridade Tributária (AT) vai lançar uma mega-operação nacional de fiscalização ao negócio dos casamentos nos próximos três meses. A ordem foi dada no início desta semana das direções de Finanças de praticamente todo o país e serão realizadas em horário  extralaboral com predominância aos sábados. O Ministério das Finanças assegura que deu instruções à AT para que a acção inspectiva “não perturbe o normal funcionamento de uma cerimónia ou festa de casamento” e que devem ser evitados “comportamentos intrusivos”.

“É essa a orientação muito clara que foi transmitida à AT”, avançou nesta sexta-feira, 30 de maio, ao Jornal Económico fonte oficial do ministério liderado por Mário Centeno.

Segundo a mesma fonte, as ações de fiscalização, reveladas na edição desta sexta-feira pelo Jornal Económico,  têm de obedecer “ao princípio da proporcionalidade entre os meios e os fins definidos”. Um  princípio, diz, que é válido para todas as ações, e “é próprio de um Estado de Direito”.

As Finanças asseguram ainda que “sem colocar em causa que todos os negócios relacionados com a organização de qualquer festa – incluindo casamentos – devam ser devidamente enquadrados na economia formal, a fiscalização do cumprimento das obrigações fiscais não pode ser feita de forma desproporcional , devendo evitar comportamentos intrusivos”.

Para o Executivo “uma acão inspetiva que perturbe o normal funcionamento de uma cerimónia ou festa de casamento não pode ser considerada proporcional face ao objetivo de fiscalização de cumprimento de obrigações fiscais”.

Os inspetores tributários vão estar no terreno a partir do segundo fim-de-semana de junho até setembro para controlar a empresas e pessoas singulares que se dedicam a atividades económicas relacionadas com casamentos, muitas delas identificadas tradicionalmente com situações de evasão fiscal.

Esta ação está prevista numa ordem de ações de inspeção que partiu no início desta semana das direções de Finanças de praticamente todo o país, conforme avança o Jornal Económico na sua edição desta sexta-feira.

Na mira do fisco estão as empresas de catering e de animação, o aluguer dos espaços do evento, fotógrafos e floristas. Também os milhões que giram à volta dos festivais de verão são ser controlados. O fisco vai inspecionar faturação de bilheteiras, contratos e pagamentos aos artistas em cerca de 100 eventos.

Numa das ordens de inspeção, a que o JE teve acesso, é solicitada a participação de várias centenas de inspetores tributários nas ações de fiscalização que serão realizados em horário extralaboral com predominância aos sábados.

Relacionadas

PremiumFisco lança operação de fiscalização a casamentos em todo o país

Negócios ligados aos casamentos vão ser alvo de ações de controlo nos próximos três meses. Ações no terreno começam já no próximo fim de semana. Na mira do fisco encontram-se também os festivais de música.

‘Ação sobre rodas’: Diretor de Finanças do Porto pede demissão e ministério aceita “prontamente”

O pedido de demissão produz efeitos a partir do dia 1 de junho, precisa o mesmo comunicado.

Centeno sobre a operação stop do Fisco: “Não foi uma decisão feliz”

O ministro das Finanças lamenta a decisão local de ter avançado com uma operação stop para identificar contribuintes com dívidas ao Fisco. Aos jornalistas, Centeno sublinha que foi “uma decisão desproporcional”.
Recomendadas

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.
Comentários