Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia apoiou Portugal com 6 milhões em 2019

“A grande maioria desse montante, 4 milhões de euros, para atividades de educação, o que inclui financiamento para startups, pequenas e médias empresas, especialmente ligadas ao clima e à saúde”, disse o diretor do EIT, Martin Kern, ao Jornal Económico.

É esta quarta-feira à tarde que são conhecidos os grandes vencedores dos “EIT Awards 2020”, os prémios anuais do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) que distinguem académicos, empresários e inovadores apoiados por este instituto da União Europeia através do Horizonte 2020.

À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, há uma empreendedora portuguesa que está na lista de nomeados deste ano: Joana Paiva, cofundadora e Chief Technology Officer (CTO) da iLoF, que se destacou na categoria “EIT Woman” pelo desenvolvimento de uma solução mais económica e não invasiva de estratificação de doentes de Alzheimer para estudos clínicos.

Em entrevista ao Jornal Económico (JE), o diretor do EIT garante que “Portugal está a assistir a uma tendência muito positiva em termos de participação na comunidade EIT em todas as áreas.” “No ano passado, 6 milhões de euros foram para o ecossistema português e a grande maioria desse montante, 4 milhões de euros, para atividades de educação, o que inclui financiamento para startups, pequenas e médias empresas, especialmente ligadas ao clima e à saúde”, revelou.

Martin Kern avançou que o instituto europeu conta neste momento com 52 parceiros em Portugal, o que representa um crescimento de 33%. “É muito forte tendo em conta o tamanho do país. Falamos da Universidade de Lisboa, Universidade de Coimbra e do Instituto Pedro Nunes, entre outros”, lembrou, em declarações por videoconferência.

“Está mesmo a haver um lançamento em Portugal. Tal como da última vez que falámos, mantém-se um ecossistema vibrante e isso denota-se diretamente na nossa participação no país”, salvaguardou Martin Kern.

É percetível que a dimensão dos apoios tem crescido, tendo em conta que o EIT financiou projetos em Portugal com 9 milhões de euros entre 2014 e 2017 e só em 2019 foram os tais 6 milhões de euros.

“Temos mais histórias de sucesso e uma das coisas interessantes para mencionar é a resposta à crise. Em março começámos imediatamente a ver como é que o EIT podia contribuir para a recuperação e concluímos duas coisas: temos de apoiar o capital de risco e unir esforços entre as comunidades [ver abaixo], não apenas a da saúde. As startups, que têm um alto potencial de crescimento e podem ser parte da solução, estavam num problema de liquidez”, disse.

Em 2019, a Comissão Europeia propôs uma atualização da base jurídica do EIT e apresentou a Estratégica da Inovação para 2021-2027, na qual se prevê que o instituto financie atividades das suas oito comunidades de conhecimento e inovação (CCI), funda novas e apoie a capacidade de inovação de 750 instituições de ensino superior com investimento monetário e formação. As metas são mais ambiciosas, mas a sugestão de orçamento para o EIT também:  3 mil milhões de euros, mais 25% do que em 2014-2020.

Um dos objetivos é criar uma comunidade e cultura e artes. Questionado sobre o ponto de situação desta CCI, Martin Kern explicou que “ainda está em negociações”. “Estamos à espera da aprovação da estratégia e regulação do EIT, mas espero que depois do acordo político sobre o orçamento da União Europeia se decida e formalize para lançarmos mais dados concretos”, adiantou ao JE.

Quais são as CCI?

As comunidades de conhecimento e inovação EIT trabalham para acelerar a transição para uma economia carbono-zero (EIT Climate-KIC), impulsionar a transformação digital Europeia (EIT Digital), liderar a revolução global em inovação e produção alimentar (EIT Food), dar aos cidadãos da UE maiores oportunidades para desfrutar de uma vida saudável (EIT Health), alcançar um futuro energético sustentável para a Europa (EIT InnoEnergy), fortalecer e aumentar a competitividade da indústria transformadora da Europa (EIT Manufacturing), transformar matérias-primas em principais vantagens para a Europa (EIT RawMaterials), e resolver os desafios de mobilidade das nossas cidades (EIT Urban Mobility).

Ler mais
Recomendadas

SNESup quer acesso prioritário à vacina para professores do superior

Mariana Gaio Alves, presidente do Sindicato Nacional do Ensino Superior, adiantou ao Jornal Económico que vai apelar às autoridades de saúde para considerem os docentes prioritários, devido ao facto de não se encontrarem em teletrabalho.

Sindicato Independente de Professores e Educadores: “Não concordamos com a decisão de não fechar as escolas”

O SIPE diz que o Governo optou por um “confinamento parcial”, uma vez que dois milhões de crianças e jovens continuam a circular livremente e receia que os sacrifícios económicos, psicológicos e sociais dos portugueses “de nada sirvam”.

Fenprof: “Não basta dizer que as escolas vão estar abertas”

Mário Nogueira, o secretário geral da Federação Nacional dos Professores, reagiu ao anúncio do primeiro-ministro exigindo a inclusão dos professores no grupo de prioritários para a vacina, bem como a realização de testes nas escolas, entre outros.
Comentários