“Insurtech estão em quase todos os campos de atividade da atividade seguradora”, diz PwC

Seguradores devem definir uma estratégia capitalizando as oportunidades, sublinhou Carlos Maia, da PwC, no Fórum Seguros 2018, um evento organizado pela consultora e pelo Jornal Económico esta quinta-feira em Lisboa.

O Insurance Lead eneartner da PwC, Carlos Maia, afirmou esta quinta-feira que as insurtech estão a entrar de forma abrangente no atividade dos seguradores em Portugal. “As insurtech já estão em quase todos os campos de atividade, ou todos, da atividade seguradora nacional”, disse no Fórum Seguros 2018.

O ecossitema insurtech caracateriza-se, atualmente, pela inovação e disrupção, pela procura de novos clientes, pela redução de custos e pela rapidez, agilidade e dinamismo com que as startups na indústria seguradora atuam, segundo explicou o responsável da consultora, no evento organizado pelo Jornal Económico e pela PwC.

Como forma de resposta à emergência das insurtech no setor, Carlos Maia crê que os seguradores devem “definir uma estratégia capitalizando as oportunidades e criando valor para os seus clientes, seja na oferta de novos produtos ou de ferramentas de medição e gestão de riscos”.

Para a maioria dos presidentes executivos (58%) das organizações seguradoras – afirma Carlos Maia – “o melhor é monitorizar para responder de forma competitiva”. Uma questão levantada pelo responsável da PwC é que a atual tendência na indústria seguradora “é uma oportunidade enorme para tornar as nossas operações eficientes”.

Recomendadas

Ordem dos Advogados propõe quotas mais baixas e novo escalão para mais novos

Consulte aqui os valores propostos para o próximo ano, a entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2019. Segundo esta entidade, a decisão deve-se à “reivindicação” dos profissionais devido ao “elevado valor das quotas dos seus associados individuais”.

Ordem dos Advogados propõe redução de quotas em 2019

A Ordem dos Advogados elaborou uma proposta de redução anual das quotas dos advogados num total de 1,2 milhões de euros, que será discutida em assembleia geral extraordinária a 15 de outubro.

Sonae pretende colocar 25% do negócio do retalho em bolsa

A IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a investidores institucionais, anunciou a retalhista.
Comentários