Investimento imobiliário com subida homóloga de 39% nos primeiros nove meses de 2020

Entre janeiro e setembro foram investidos 2,2 milhões de euros, face aos 1,6 mil milhões de euros do mesmo período do ano anterior. Escritórios e retalho contabilizaram 76% do volume total de investimento observado até ao final do terceiro trimestre.

Cristina Bernardo

Apesar da pandemia da Covid-19 ter afetado todos os setores da sociedade, o mercado imobiliário em Portugal registou um crescimento homólogo de 39% nos primeiros nove meses de 2020, segundo o estudo publicado pela consultora imobiliária Savills esta quinta-feira, 3 de dezembro.

Entre janeiro e setembro verificou-se um volume total de investimento de 2,2 mil milhões de euros, face aos 1,6 mil milhões de euros do mesmo período do ano anterior. A maior fatia deste valor foi repartida entre os setores dos escritórios e retalho, que contabilizaram 76% do volume total de investimento observado até ao final do terceiro trimestre deste ano.

Tal como em anos anteriores, o investidor estrangeiro continua a dominar este setor no país, tendo no período em análise contribuído com 81% do volume de investimento total.

Os negócios que mais dinheiro movimentaram entre janeiro e setembro foi a venda do Lagoas Park ao grupo Hendersen Park, por 420 milhões de euros e a venda de 50% da Sierra Fund à Allianz | Ello, no valor dos 750 milhões de euros.

Olhando para o mercado residencial e apesar da pandemia, entre janeiro e setembro de 2020, o volume de vendas registou um aumento de 6,18%, face ao mesmo período de 2019, tendo sido vendidas no total 44.8 mil habitações, num volume de negócios total de 10 mil milhões de euros.

De acordo com a Savills, este aumento deveu-se “ao crescimento da importância das cidades satélite de Lisboa no mercado residencial, assente em preços mais competitivos e apelativos a um leque mais alargado de compradores”, com as cidades de Sintra, Cascais e Almada as que verificaram o maior número de vendas.

A freguesia de Santo António em Lisboa, mantém o valor mais alto, com uma valorização de 7.099 euros/m2. Segue-se a freguesia da Misericórdia, com 6.836 euros/m2 e Santa Maria Maior, com 6.272 euros/m2.

No que ao mercado de escritórios diz respeito, este estudo indica que desde o início do ano, o volume de ocupação de escritórios em Lisboa sofreu uma queda de 30%, comparado com o mesmo período de 2019. Entre janeiro e setembro foram ocupados 102.399 m2, face aos 145.603 m2 ocupados no período homólogo.

De resto, o terceiro trimestre registou a pior recaída do ano, com uma queda de 55% e 59%, quando comparado com o segundo e primeiro trimestre de 2020.

Já na cidade do Porto, os setores de TMT´s & utilities e serviços a empresas foram responsáveis em conjunto por 50% do volume total de absorção. Para os próximos dois anos, estima-se que mais de 180 mil m2 de novos espaços de escritórios integrem parte do mercado da cidade.

Outros dos setores que registou um maior crescimento foram os da indústria e logística. Entre janeiro e setembro de 2020, verificou-se um aumento de 35% de ocupação face ao mesmo período de 2019. Contudo, o estudo aponta para que “alguns eixos logísticos possam sofrer uma pressão de aumento de rendas, nomeadamente aqueles que se encontram mais próximos dos centros urbanos e que se destinam a responder à grande tendência do last-mile“.

Ler mais

Recomendadas

Operadores oferecem mais de 200 milhões de euros no sétimo dia da fase principal do leilão do 5G

Face de licitação principal do leilão do 5G chega aos 200,4 milhões de euros. Propostas superam em 4,2 milhões de euros as ofertas das rondas de quinta-feira.

PremiumDeolinda Silva: “Indústria alimentar pode ser exportadora líquida num futuro próximo”

As exportações do sector agroalimentar português cresceram cerca de 20% entre 2015 e 2019. Nesse ano, as empresas associadas da PortugalFoods exportaram 830 milhões de euros, um crescimento de 40% no período em causa.

Bruxelas propõe alterar OE2021 para ajudar Estados-Membros na adaptação ao Brexit

Este ajuste garantirá a disponibilidade de recursos suficientes este ano para ajudar os 27 países do bloco europeu a fazer face aos efeitos imediatos do Brexit.
Comentários