Investimento imobiliário em Portugal atingiu 3,5 mil milhões de euros em 2019

Consultora imobiliária destaca a transação de diversos portfólios e carteiras de fundos de investimento imobiliário, bem como um forte investimento relacionado com o setor da hotelaria.

Cristina Bernardo

O investimento imobiliário em Portugal atingiu os 3,5 mil milhões de euros no último ano, segundo indica a consultora imobiliária CBRE, em comunicado divulgado esta quinta-feira, 8 de janeiro.

A consultora imobiliária destaca a transação de diversos portfólios e carteiras de fundos de investimento imobiliário, bem como um forte investimento relacionado com o setor da hotelaria.

Na área de Capital Markets, realce para a transação de edifícios como o D. Manuel II, no Porto, o Fontes Pereira de Melo 41 ou o Alexandre Herculano 50, em Lisboa, a venda de terrenos na Alta de Lisboa e a venda do edifício da Nestlé num processo de Sale & Leaseback, enquanto na transação de portfólios de edifícios de escritórios, destaca-se o portfólio Arya. Já na área dos centros comerciais, a maior nota vai para o portefólio de três centros comerciais, Sonae Sierra – LouresShopping, Oitava Avenida e RioSul Shopping – representando o comprador (Harbert).

Em relação aos escritórios, destaque para o arrendamento de  7 mil m2 à Cuatrecasas que terá a nova sede no antigo edifício da Liberty, em plena Avenida Fontes Pereira de Melo em Lisboa, bem como o arrendamento do Edifício Lisboa na Expo à Ericsson, totalizando cerca de 1.500 m2.

No Retalho, destaque para a colocação da BA&SH e a Dolce & Gabbana na Avenida da Liberdade e da abertura FNAC de dois pisos que totalizam 1.500m2 no Fórum Aveiro.

Sobre as perspetivas para 2020, o diretor-geral da CBRE em Portugal, Francisco Horta e Costa afirma que “o imobiliário vai manter uma dinâmica bastante positiva em 2020 e que ainda não é desta que o mercado vai abrandar. Existe uma procura sustentada e saudável por parte dos investidores que é transversal aos diferentes setores e que vai permitir que se desenvolvam e transacionem vários projetos, desde os escritórios ao residencial, passando pela hotelaria e pelos novos conceitos de ‘living'”.

O responsável pela consultora em Portugal, adianta também que “a reabilitação continuará o seu curso e iremos assistir a uma cada vez maior descentralização dos projetos residenciais, nomeadamente de construção nova, para zonas mais periféricas ou mesmo para concelhos limítrofes aos de Lisboa e Porto” e que em 2020 “não faltarão investidores em 2020 para imobiliário de rendimento em todos os setores, mantendo-se a pressão em baixa das taxas de rentabilidade (yields) em virtude de um contexto continuado de baixas taxas de juro”.

Consultora cresceu 22% em 2019

Pelo quinto ano consecutivo a CBRE Portugal cresceu no mercado nacional. No último ano esse aumento foi de 22%, um valor recorde e o melhor da história da consultora em termos de volume de negócio. As operações em Lisboa apresentaram um crescimento de 15,5% e o escritório do Porto aumentou em mais que o dobro a sua receita.

A consultora acredita que o ano de 2020 continuará a ter um “elevado volume de transações, atendendo ao já significativo volume de instruções que transitam de 2019 e dos 17 novos processos que a CBRE irá trazer a mercado no primeiro trimestre de 2020, que em conjunto  somam mais de 570 milhões de euros de potenciais transações”, indica o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Quase 100% das imobiliárias registam quebras na procura e negócios

Inquérito realizado pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) às imobiliárias revela quebras na procura e nos negócios provocadas pelo surto do coronavírus.

Avaliação das casas subiu para os 1.337 euros por metro quadrado em fevereiro

Este valor regista um aumento de mais sete euros do que o observado no mês anterior e um crescimento de 0,5% relativamente a janeiro e de 7,9% face ao mesmo mês do ano anterior.

João Duque: “Os preços das casas podem vir a cair por aí abaixo”

Economista fala em “paragem absoluta” no mercado. Agentes, inquilinos, proprietários e consultores pintam ao JE um cenário dramático.
Comentários