Investimento imobiliário: Portugal a caminho do segundo melhor ano de sempre

O investimento imobiliário atingiu os 3,5 mil milhões de euros em 2018, o melhor ano de sempre. O valor deverá atingir os três mil milhões este ano, segundo as previsões da CBRE.

O investimento imobiliário poderá atingir os três mil milhões de euros este ano, de acordo com as projeções apontadas pela CBRE. A consultora imobiliária acredita que o investimento no setor pode vir a acelerar no segundo trimestre do ano.

Em Portugal, nunca se venderam tantas casas como em 2018, revelou o INE esta semana. O número de habitações vendidas em 2018 disparou 16,6% para um total de 178.691 habitações no ano passado, o registo mais elevado da série histórica do INE. Do total, 85% das transações dizem respeito a casas já existentes.

Francisco Horta e Costa, diretor geral da CBRE refere que “o nível de investimento em 2018 rondou os 3,5 mil milhões de euros, sendo pouco provável que em 2019 se atinja novamente este recorde”. O responsável da consultora sublinha contudo, que as projeções da entidade são hoje mais altas do que as divulgadas no início do ano, apontando para o volume de investimento entre os 2,5 e os três mil milhões de euros. “Se estas previsões se concretizarem, será o segundo ano de maior investimento imobiliário em Portugal e o quarto em que os valores superam os dois mil milhões de euros”.

O setor hoteleiro foi pela primeira vez aquele que adquiriu a maior parte do capital (39%), devido à abertura dos investidores a setores menos tradicionais e com maior risco operacional, bem como pelos fortes indicadores de um segmento muito ativo, espelhado nomeadamente no número de passageiros desembarcados nos aeroportos nacionais que continua a evidenciar uma taxa de crescimento muito positiva (7,1%, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) entre janeiro e maio), assim como o RevPAR, um dos principais indicadores de desempenho do setor hoteleiro, com um aumento de 1,8%.

A área do comércio alcançou 29% do total investido em imobiliário de rendimento no período analisado e os escritórios registaram  uma quota de 23%. Ainda no segmento de escritórios foram celebrados contratos que perfizeram uma ocupação de 100 mil metros quadrados em Lisboa, 16% acima do período homólogo. O Porto reuniu no primeiro semestre cerca de 74 mil metros quadrados, prevendo-se que esta área ultrapasse o valor recorde de 82 mil metros quadrados verificado em 2018.

Cristina Arouca, Diretora de Research da CBRE, realça que ““em Lisboa, o problema da falta de espaços de escritórios está longe de ser solucionado e tenderá a agravar-se nos próximos dois anos, sendo que atualmente a taxa de disponibilidade de mercado é inferior a 6% e a mais baixa de sempre”.

Venda de casas em Portugal atinge máximo histórico em 2018

Ler mais
Relacionadas

Venda de casas em Portugal atinge máximo histórico em 2018

O número de edifícios licenciados em Portugal aumentou 17,6% em 2018, enquanto o número de edíficios construídos subiu 19% face a período homólogo.
Recomendadas

Preços das casas em oito bairros de Lisboa já ultrapassam os cinco mil euros por metro quadrado

Chiado, Avenida da Liberdade, Barata Salgueiro, Baixa, Glória, Picoas, Bairro Alto e o eixo S.Paulo/Boavista/Conde Barão são as oito zonas da capital com preços mais elevados. O preço médio de venda das casas é de 3.870 euros/m2.

Plataforma imobiliária já permitiu às famílias portuguesas poupar nove milhões de euros em apenas duas semanas

A Urbiwise possibilita aos seus utilizadores e de forma completamente gratuita avaliar os seus imóveis. Em somente duas semanas esta plataforma já registou mais de 60 mil avalições feitos por cidadãos portugueses.
jerónimo_de_sousa_cdu_pcp_pelislativas

PCP propõe mínimo de dez anos para os contratos de arrendamento de habitação

Deputados comunistas dizem que aumento da duração dos contratos é a solução para muitas famílias que “estão constantemente em mudanças e com a preocupação de encontrar novamente habitação”, no que consideram ser uma consequência das “injustiças” do Novo Regime de Arrendamento Urbano.
Comentários