Investimento norte-americano representa 33% do mercado de M&A em Portugal

O investimento estrangeiro em Portugal representou cerca de 90% do valor das transações em Portugal de M&A até ao momento, sendo oito das dez maiores operações foram conduzidas por investidores estrangeiros.

Rodeie-se de talento.

Na área de Merger & Acquisitions (M&A) em Portugal, ninguém dominou tanto o mercado este ano como os investidores norte-americanos. Em sete transações, investiram, no acumulado 843 milhões de euros, o que representa um terço do valor total de M&A no país este ano – 2.525 milhões de euros.

Segundo os dados da Mergermarket, uma agência de informação financeira especializada no segmento de M&A, “dois dos maiores negócios com investidores norte-americanos incluem a aquisição pela Oaktree Capital Management LP do André Jordan Group, por 500 milhões de euros, e a compra pela Certares LP de uma percentagem da Mystic Invest Holdging, no valor de 250 milhões de euros”.

Por oposição ao crescimento do investimento norte-americano em Portugal surge a descida do interesse da China por ativos nacionais. A Mergermarket explica que tal se deve a “um maior controlo governamental, tanto na China como nos países europeus” que visam a redução de operações de M&A com capital chinês. “Em Portugal, ainda não houve nenhuma transação fechada este ano por investidores chineses, em contraponto com três transações em 2018”, referiu a agência de informação financeira.

Ainda assim, em segundo lugar, surge o capital asiático na atividade de M&A em Portugal, com três operações no valor de 635 milhões. E, a fechar o pódio, aparece o capital nacional com 15 operações no valor de 843 milhões.

Os dados compilados pela Mergermarket , entre 1 de janeiro e 30 de setembro, não discriminam o valor do investimento francês, responsável por cinco operações de M&A em Portugal este ano. De resto, o capital de outros países que não os já mencionados e que não incluem o capital espanhol nem britânico foi responsável por 708 milhões de euros até ao momento.

A Mergermarket exclui da análise as operações de M&A realizadas no âmbito do mercado imobiliário e apenas conta aquelas que superaram os cinco milhões de dólares e que envolveram, no mínimo, a participação no capital social de uma empresa de 30%.

Energia, mineração e serviços públicos dominam M&A

Até ao momento, foram realizadas seis operações de M&A na área da energia, mineração e serviços públicos, com um valor total de 739 milhões de euros, seguindo-se a área dos serviços financeiros, no qual foram realizadas três operações que ascenderam a 627 milhões de euros.

“O valor das transações ao nível do setor da energia em Portugal nos três primeiros trimestres de 2019 mais do que quadriplicou por comparação com o mesmo período de 2018, para 739 milhões de euros”, explicou a Mergermarket. “Isto reflete o facto de Espanha e Portugal terem sido responsáveis por uma média de 12,5% do valor total de M&A do setor de energia, mineração e serviços públicos do continente europeu, desde 2014, apenas atrás do Reino Unido (35,4%) e da Alemanha (13,1%)”, adiantou a agência de informação financeira.

M&A em desaceleração no país

Este ano tem sido o mais fraco em M&A desde 2014 em Portugal, tanto em termos de valor, como em termos de volume de transações. Em 49 transações, foram investidores 2.525 milhões de euros, uma queda de cerca de 54% face aos montantes registados em 2018, ano em que foram realizadas 98 transações no valor total de 5.462 milhões de euros.

Em 2014, foram feitas 53 operações de M&A em Portugal que representaram 18.139 milhões de euros – um valor desde então inigualável. Em 2015, foram realizadas 67 operações de M&A no valor total de 6.820 milhões de euro, valor que desceu 46% em 2016 e em 2017.

Estes dados foram apresentados esta quarta-feira durante a terceira edição do M&A Outlook: Portugal Breakfast Briefing, organizado pela Mergermarket e patrocinado pela sociedade de advogados Cuatrecasas e pela consultora Marsh Portugal.

Ler mais
Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários