Investir em juros?!

Nunca como agora foi tão necessário trilhar o caminho certo do crescimento económico e do investimento público. O risco da degradação e da perda de oportunidades que os apoios europeus oferecem é grande.

A necessidade e importância do investimento público é um dos temas sobre os quais reflito com frequência, pois o correto aproveitamento dos fundos comunitários, quer dos planos regionais, quer dos que derivam da pandemia via Plano de Recuperação e Resiliência, é determinante para o nosso futuro coletivo.

É que apesar de, felizmente, estarmos a conseguir ultrapassar esta grave crise de saúde pública, surgida de forma repentina e intensa, o caminho da nossa recuperação económica, financeira e social continua a ser uma miragem, além de penoso e longo.

Ainda esta semana, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou estatísticas da despesa pública, com informação sobre a forma como o Estado gasta os seus recursos financeiros.

Numa análise comparativa com os demais países europeus, revela que Portugal foi aquele que menos investiu em 2020, um valor equivalente a 2,2% do PIB, largamente abaixo dos 3,1% da média da zona euro. E embora tenha crescido 16,3% face a 2019, tal não foi suficiente para retirar Portugal da cauda da zona euro, pois apresentou o menor valor entre todos os países da zona euro. E porque será?

Na verdade, somos um país endividado onde a fatura dos juros com a dívida pública continua a pesar bastante na despesa do Estado, sendo a terceira mais alta da zona euro. Pagámos em 2020 cerca de 5,8 mil milhões de euros em juros relativos à “nossa” dívida, cerca do dobro dos 3,5 mil milhões de euros do valor pago em 1999, ano da introdução do euro. Em vinte anos pagámos, tão-só e apenas, o dobro em juros… algo absolutamente insustentável.

Esta é mais uma evidência da incapacidade do Governo em promover a realização de investimento, algo que num ano tão sensível e pandémico como 2020 não mudou. A regra dos últimos anos tem sido o estarmos no fim da tabela dos países em realização de investimento. E 2020 só é mais grave do que os outros, pois o recomendável (e obrigatório) seria investir, pois até nem havia limites ao financiamento orçamental por via do endividamento (défice).

Mas não, o investimento público só sobressaiu por ter sido mais um ano de anúncio de muitos milhões de investimento… para o futuro. E na boa maneira socialista de anunciar, adiar e voltar a adiar para voltar a anunciar, constatando que o Estado na sua maioria se limita a manter as empresas de serviço público, assistindo à sua acentuada degradação.

Nunca como agora foi tão necessário trilhar o caminho certo do crescimento económico e do investimento público que o país precisa e merece. O risco da degradação e da perda de oportunidades que os apoios europeus oferecem é grande. Não podemos facilitar nem adiar problemas, pois será uma nova oportunidade tragicamente perdida.

Recomendadas

Por que hei de gostar de futebol?

Eu sei que estou em contraciclo, visto que mais um campeonato de futebol europeu está aí à porta. Que eventos desta importância não sejam ensombrados por mais acontecimentos grotescos. Só assim poderei mudar a minha a opinião.

O Euro 2021, ai desculpe… 2020

Manter o nome do torneio tem o seu quê de estranho, pois lembra-nos que ainda vivemos numa espécie de ‘loop’ existencial, presos numa fase transitória da vida, entre a pandemia e o pós-pandemia.

Para uma crítica ao ‘Homo consumens’

É preciso revolucionar criticamente as representações que fazem da escassez um fetiche estruturante de todas as nossas relações com o mundo. A escassez nem é, por si mesma, dotada de valor, nem deve ser socialmente promovida. Pelo contrário, deve ser excluída das práticas de criação de valor.
Comentários