Irão enerva Wall Street

Foi um final de semana tremido para a bolsa nova-iorquina com os três principais índices a fechar no vermelho.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque fechou a semana em território negativo com os três principais índices em queda, refletindo o nervosismo dos investidores com os novos sinais de tensão entre o Irão e os Estados Unidos. Desta vez, o facto que fez derrubar as bolsas internacionais, a que a norte-americana não escapou, foi o confisco de dois petroleiros, um deles britânico, executado pelo regime de Teerão.

O S&P500 caiu 0,62% para 2.976,67 pontos enquanto que o Nasdaq deslizou 0,88% para 7.834,90 à data do encerramento da sessão em Wall Street. A acompanhar a queda, surge o Dow Jones Industrial Average que desvalorizou 0,25% para 27.154,20 pontos.

Apesar da Microsoft ter apresentado resultados positivos, batendo o recorde de volume de negócios no segundo trimestre deste ano, a cotação não refletiu integralmente um clima que poderia ter sido de eurofia, fechando com um ligeiro ganho de 0,15%. A Boieng foi o título com maior destaque com uma valorização de 4,48%, havendo apenas mais seis empresas a contrariar a tendência geral do mercado.

Nas quedas, a American Express foi a empresa que mais pressionou a bolsa com um trambolhão que atingiu quase os 2,8%. A seguradora americana com maior capitalização bolsista, The Travelers (-1,64%) e um dos maiores grupos de cuidados de saúde, a UnitedHealth (-1,58%),  seguiram o exemplo da gigante de crédito, contribuindo para um dia que assim inverteu o ambiente otimista gerado na véspera com a expetativa de novos cortes nos juros da Reserva Federal.

No índice tecnológico Nasdaq, fecharam 19 títulos no verde, com destaque para a empresa que presta serviços de transporte JB Hunt que saltou 4,55% num só dia. A companhia de semicondutores Micron (1,90%) e a Tesla (1,83%) fecharam o top três do índice. Em sentido contrário, a MercadoLibre, empresa argentina cotada em Nova Iorque, a biofarmacêutica Gilead Science e a empresa de segurança cibernética Symantec foram quem mais contribuiu para a quedo do Nasdaq, sofrendo quedas superiores a 3%.

Já no S&P500, os títulos tiveram um dia muito assimétrico havendo cotações que fecharam com valorizações acima dos 5% (a State Street e a Citizens Financial Group) e outras cinco cotadas com quedas superiores a 3%.

No computo geral, este índice acabou por desvalorizar abaixo de 1%, não aguentando assim a abertura promissora que registou nas primeiras horas de funcionamento do mercado americano.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha em alta com aumento da confiança dos consumidores

No fecho da sessão, desta quarta-feira, o S&P 500 cresce 1,13%, para 2,931.38 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 1,14%, para 7,755.25 pontos e o industrial Dow Jones sobe 1,22%, para 26,248.0 pontos.

Bolsas da Europa animadas e Lisboa acompanha com subida da Mota, Galp e Navigator

Os mercados europeus fecharam em alta, após um início mais prudente. “Os catalisadores desta subida foram a subida das yields e as expetativas dos investidores em relação à situação política italiana”, diz o BPI.

Wall Street abre em alta à espera das minutas da Fed

Dois exemplos de títulos em destaque na praça nova-iorquina são os da empresa de materiais de Lowe’s Companies Inc, que disparam 11,28%, para 108,91 dólares, e os da cadeia de retalho Target Corporation, que disparam 18,52%, para 101,35 dólares.
Comentários