Irmãos Metralha e Coronel Cintra

A que título pode o Estado afirmar-se como “pessoa de bem” se obriga, por força da lei, os gatunos a declararem o produto da trafulhice apenas para lhes aplicar a taxa adequada?

A semana passada ficámos sem saber se o dinheiro proveniente de actos ilícitos (criminais) deveria ou não ser tributado. E com isto avançou-se para uma discussão em torno da fraude fiscal a propósito do acerto ou desacerto da decisão judicial que (des)pronunciou os arguidos da Operação Marquês.

A questão só é pertinente para sabermos qual das soluções deveremos lamentar: se a da Lei se a da Lógica e Argumentação jurídicas. A menos que qualquer OVNI jurídico me escape, não parece que possamos concluir de outra forma, ou seja, se é obrigatória a declaração e posterior tributação de dinheiro roubado, o Estado torna-se cúmplice da gatunagem. A situação é absurda e não deveria sequer resultar de previsão legal que é o que ocorre (Art. 10 da LGT).

A que título pode o Estado afirmar-se como “pessoa de bem” se obriga, por força da lei, os gatunos a declararem o produto da trafulhice (roubos, subornos, corrupções, lavagens) apenas para lhes aplicar a taxa adequada?

A previsão legal será quase sempre inútil  e perversa. Coloca o sistema fiscal de braço dado com a criminalidade. Mas, para fugir a essa conclusão, parece insensato dar a entender que afinal o produto do roubo é irrelevante para o Estado. Não ficaria melhor concluir pela solução óbvia e por todos compreendida, ou seja, que os rendimentos ilícitos hão de vir parar às mãos do Estado pela via da perda de bens?

Eis o que acontece quando uma Lei que parece ter sido criada para os Irmãos Metralha tem de ser aplicada pelo Coronel Cintra…

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Guloseimas

Pelos vistos, a maioria das pessoas nunca passa dos dez anos…

Um país de proprietários é um país mais livre

Quando os políticos fazem leis que castigam quem investe em imobiliário estão a ir aos bolsos de milhões de famílias, para além de fazerem com que haja menos casas para arrendar, levando à subida das rendas e a menos investimento em reabilitação.

Estado da Inovação em Portugal, muita parra…

Travar a precariedade do emprego ou ligar, de modo mais consequente, o apoio à inovação com a internacionalização das empresas portuguesas, são alguns dos caminhos a trilhar, com mais velocidade. E criar respostas para a questão “Como fazer?” e com que prazo, de modo acelerado e focado no futuro.
Comentários