ISCTE vai formar executivos em Guangdong e consolida presença na China

Acordo com Kingold Training College eleva patamar da presença do ISCTE Executive Education no país asiático, que à área da gestão da saúde junta agora a formação de executivos pura.

O ISCTE Executive Education dá mais um passo no processo de internacionalização, com a assinatura de um protocolo com o chinês Kingold Training College. Esta parceria permite à ‘business school’ liderada por José Crespo de Carvalho leccionar, já, a partir de setembro, o International Executive Master in Management na instituição de Guangdong.

Com este acordo, o ISCTE Executive Education consolida uma presença de dez anos e dois programas de sucesso ministrados nas províncias de Guangdong e Guagzhou, o que faz dele uma das três instituições estrangeiras mais bem sucedidas na região, a par da John Hopkins University.

Até agora, os programas desenvolvidos pelo ISCTE Executive Education na China têm-se centrado na área da gestão da saúde e com parcerias com universidades chinesas. A partir deste acordo entramos num outro patamar de presença neste país, uma vez que se trata de pura formação de executivos, explica José Crespo de Carvalho, presidente da escola de negócio portuguesa

A formação ‘on-demand’, customizada para empresas chinesas nas áreas da gestão e liderança será o próximo passo deste acordo. “Esperam-se novos e importantes resultados a este nível dada a dimensão do mercado chinês e a sua importância para a exportação de ensino superior e executivo a partir de Portugal, o que tem sido muito bem trabalhado pelas escolas portuguesas em vários pontos do mundo”, salienta o presidente do ISCTE Executive Education.

Recomendadas

PremiumPedro Santa Clara abre escola digital de vanguarda

Na escola 42, não há professores, nem avaliação, mas as aulas são presenciais. Os alunos não pagam. O primeiro curso arranca em fevereiro de 2021 e as candidaturas já estão abertas. O Jornal Económico foi conhecê-la.

Ensino Superior destina 7% das vagas para emigrantes e familiares

O concurso nacional de acesso ao ensino superior, cuja primeira fase arranca a 7 de agosto, tem 3.599 vagas para emigrantes, disponibilizadas por 107 instituições em cerca de 5.000 cursos.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre abandono escolar: “Vai seguir as recomendações do Tribunal de Contas?”

O Tribunal de Contas diz que não é possível conhecer os reais números do abandono escolar em Portugal, devido a fragilidades no sistema de recolha de dados e de monitorização, lacunas que aconselha a resolver. A deputada Ana Rita Bessa quer ministro Brandão Rodrigues no Parlamento.
Comentários