ISQ desenvolve programa para ajudar 300 PME na transição digital

O SHIFT2FUTURE vai incidir em cerca de 300 pequenas e médias empresas de dez setores de atividade (desde o IOT a Agroalimentar) nas regiões Norte, Centro e Alentejo, abarcando assim alguns setores não analisados anteriormente no SHIFTo4.0. O programa terá inicio em setembro de 2020 e terá uma duração de 24 meses.

Depois do programa ‘SHIFTo4.0’, a ISQ anuncia agora o ‘SHIFT2Future’ que se destina a ajudar pequenas e médias empresas (PME) no processo de transição digital. O objetivo é capacitar as PME através da criação de um plano de ação que as torne mais competitivas no contexto da Economia 4.0.

O SHIFT2FUTURE vai incidir em cerca de 300 pequenas e médias empresas de dez setores de atividade (desde o IOT a Agroalimentar) nas regiões Norte, Centro e Alentejo, abarcando assim alguns setores não analisados anteriormente no SHIFTo4.0. O programa terá inicio em setembro de 2020 e terá uma duração de 24 meses.

Pedro Matias, presidente da ISQ, explica que “o objetivo é reforçar a consciencialização das PME para uma economia de nova geração no quadro da Indústria 4.0 e capacitá-las com conhecimento e metodologias que permitam acelerar a sua transformação para a economia digital, deixando-as mais preparadas para enfrentar e ultrapassar os novos desafios inerentes ao novo paradigma económico”.

“No fundo, vai gerar conhecimento com ações de sensibilização e capacitação bem como desenvolvimento de ferramentas adaptadas (software, aplicações visuais) a setores de atividade, sensibilizando os vários níveis na empresa (desde o topo à base)”, acrescenta ainda Pedro Matias.

Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários