Itália aprova liquidação do Popolare di Vicenza e do Veneto Banca

Um conselho de ministros extraordinário aprovou hoje o decreto que determina a liquidação administrativa das duas instituições bancárias em dificuldades. Isto ao mesmo tempo que Comissão Europeia aprovou as medidas de apoio do Estado italiano, contabilizadas em cerca de 17.000 milhões de euros.

A aprovação do decreto-lei que estabelece a liquidação administrativa das duas instituições em dificuldade culmina várias  semanas de incerteza e tensão e formaliza, na prática, a decisão do Mecanismo Único de Resolução europeu de autorizar, na sexta-feira, a “liquidação ordenada” dos dois bancos, depois do BCE ter declarado que são inviáveis ou em vias disso.

O Conselho de Ministros italiano, com um único ponto na ordem de trabalhos, teve a duração de apenas 20 minutos –  o suficiente para pôr fim a uma das maiores dores de cabeça do executivo presidido por Paolo Gentiloni.

O banco Intesa Sanpaolo ficará com as duas entidades liquidadas administrativamente. Por um preço simbólico, o  Intesa Sanpaolo ficará com os ativos sãos do Veneto banca e do Popolare di Vicenza, numa operação que mobilizará cerca de 17 mil milhões de euros de dinheiro do Estado, segundo cálculos do governo italiano. Desta forma, ficam protegidos os titulares de depósitos e os portadores de obrigações seniores.

A Comissão Europeia aprovou este domingo as medidas de apoio do Estado italiano, contabilizadas em cerca de 17.000 milhões de euros para a liquidação ordenada dos dois bancos italianos regionais.

Recomendadas

Banca comercial de Angola volta a pedir dinheiro ao BNA em agosto

Valor até ao oitavo mês do ano está 66% abaixo do homólogo.

Commerzbank quer cortar mais 4.300 empregos e vender posição no polaco mBank

O banco alemão deverá chegar ao final de 2020 com 38 trabalhadores a tempo inteiro, mas pretende criar dois mil postos de trabalho noutras áreas, segundo o novo programa estratégico.

BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.
Comentários