Itália: governo chega aos 100 dias e anuncia aposta na saúde

O primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou que vai investir 10 mil milhões na saúde até 2023, num esforço para melhorar os serviços, contratar mais e pagar melhor.

“A partir deste ano e até 2023, vamos lançar um pacto para a saúde e superar os dez mil milhões de investimentos naquela área, revelou o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, este fim-de-semana. O objetivo, considerado muito ambicioso, foi revelado numa altura em que o governo de coligação faz 100 dias e assumiu a saúde como uma das suas prioridades imediatas.

Conte quis deixar clara essa prioridade e por isso deslocou-sa ao Ministério da Saúde para fazer um balanço dos primeiros 100 dias de atividade governamental junto ao ministro da Saúde, Roberto Speranza.

“Eu queria estar presente porque a atenção que reservamos para o setor da saúde é significativa. Não queremos polémica com o passado, mas este investimento não tem precedentes e queremos melhorar ainda mais. Temos uma estratégia clara: proteger um direito fundamental, a saúde. Queremos serviços de saúde cada vez mais eficazes e cada vez mais eficientes, combatendo todas as desigualdades territoriais. Fortalecer este setor é o instrumento máximo de coesão e um teste decisivo”, acrescentou o primeiro-ministro.

O primeiro passo deste investimento será o aumento em dois mil milhões do Fundo de Saúde para 2020 (um aumento para o dobro dobrado em relação ao ano passado, de 0,9% para 1,8% da despesa do Estado), paralelo à estabilização de mais de 30 mil trabalhadores temporários entre médicos, enfermeiros e investigadores, elevando o teto salarial para contratações.

Ao apresentar estes dados, Roberto Speranza sublinhou que “o tempo dos cortes na saúde está definitivamente ultrapassado”. “Mais dois mil milhões para o Fundo de Saúde no Orçamento é um primeiro compromisso, assim como um investimento de dez mil milhões a partir de agora até o final da legislatura, conforme anunciado pelo primeiro-ministro, é um compromisso histórico”.

Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários