Itália: Salvini consegue passar lei mais restritiva do auxílio aos refugiados

A lei acrescentava uma voto de confiança no governo e foi um teste à capacidade da coligação manter o executivo em funcionamento. O presidente da Liga passou o teste, mas as divisões vão manter-se.

As discordâncias e as declarações desencontradas são cada vez mais frequentes entre a coligação do governo italiano, formada pelo Movimento 5 Estrelas, de Luigi di Maio, e a Liga, de Matteo Salvini – parceiros e rivais ao mesmo tempo, ambos vice-primeiros-ministros, mas com o último a fazer muitas vezes de primeiro-ministro.

Mas onde a falta de sintonia entre as duas formações e a profundidade das divisões fica de facto à mostra é no confronto parlamentares e nas votações que ali ocorrem – para além, claro, de um crescente afastamento entre Salvini e o ‘verdadeiro’ primeiro-ministro, Giuseppe Conte.

Os dois partidos uniram-se para votarem no Senado a favor de transformação definitiva em lei das regras promovidas por Salvini para acrescentar medidas anti-imigração e combater as ONGs que continuam a transportar refugiados encontrados à deriva no Mediterrâneo para território italiano.

A coligação passou este teste decisivo, que permite desde logo manter o governo em funções, já que se a consulta não tivesse passado, submetida a uma moção de confiança, a sua continuidade estaria colocada em causa. O vice-presidente Salvini ficou exultante no Twitter depois de conhecer o resultado e agradeceu “aos italianos e à bem-aventurada Virgem Maria”.

A votação estava longe de assegurada: a imigração tem sido uma causa de atrito entre os dois pólos do governo e era encarada como um teste à estabilidade da coligação, já que, na câmara alta, os membros do executivo têm uma vantagem ajustada de apenas quatro senadores sobre a maioria absoluta: Salvini precisava mesmo dos seus parceiros. A Liga tem 58 senadores, enquanto o M5S tem 107.

Antes da votação, pelo menos cinco dos senadores do M5S ameaçaram votar contra, sabendo que poderiam impedir a lei, mas acabaram apenas por decidir não participar na votação.

O governo decidiu submeter o regulamento a um voto de confiança, um procedimento que reduz os tempos de processamento administrativo e elimina a possibilidade de a oposição fazer alterações.

As dúvidas iniciais de que os senadores do M5S poderiam atrapalhar a nova lei fizeram Salvini tentar jogar com os números fora da coligação. As duas formações mais próximas da Liga, a Forza Italia (de Silvio Berlusconi) e os Irmãos da Itália (de Giorgia Meloni), com quem governa por coligação em numerosas regiões e autarquias, não participaram na votação e abstiveram-se. O Partido Democrata votou contra, e os seus deputados envergavam camisolas onde se lia a frase de protesto ‘Não vamos perder a humanidade’.

O principal objectivo do Decreto de Segurança é colocar mais obstáculos às ONG que resgatam os refugiados no Mediterrâneo e que Salvini identifica como cúmplices dos traficantes de seres humanos. Entre outras coisas, a nova lei prevê sentenças de prisão e multas de até um milhão de euros para as embarcações que entram sem permissão em águas territoriais italianas.

Ler mais
Recomendadas

Von der Leyen apresenta hoje proposta de fundo de recuperação da UE

A Comissão Europeia apresenta hoje enfim a sua proposta de um fundo de recuperação para reerguer a economia da União Europeia dos ‘escombros’ provocados pela pandemia da covid-19, perspetivando-se de seguida intensas negociações entre os 27 Estados-membros.

Mário Assis Ferreira: Sucessora vai continuar “obra de Stanley Ho em Portugal”

O gestor que trabalhou com Stanley Ho durante 30 anos acredita que a família do empresário pretende manter a sua participação maioritária na dona dos casinos do Estoril, Lisboa e Póvoa de Varzim. O vice-presidente da Estoril-Sol deixa elogios a Pansy Ho, filha do empresário nascido em Hong Kong.

Twitter faz fact-check pela primeira vez a publicações de Donald Trump

O presidente norte-americano criticou os votos por correspondência, que serão usados por alguns estados nas eleições devido à Covid-19, com a rede social a alertar os utilizadores que as afirmações de Donald Trump não correspondiam à verdade.
Comentários