Ivo Rosa chama Sérgio Monteiro para ser testemunha no processo ‘Operação Marquês’

Sérgio Monteiro deverá ser inquirido no dia 5 de dezembro e terá sido chamado por causa do projeto do troço Poceirão-Gaia do TGV, que chegou a estar adjudicado a um consórcio que incluía o Grupo Lena.

Sérgio Monteiro, antigo secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações do governo de Pedro Passos Coelho, terá sido chamado para participar na fase de instrução do processo ‘Operação Marquês’ após decisão do juiz Ivo Rosa.

Segundo a SIC Notícias, Sérgio Monteiro deverá ser inquirido no dia 5 de dezembro e terá sido chamado por causa do projeto do troço Poceirão-Gaia do TGV, que chegou a estar adjudicado ao consórcio Elos, que incluía o Grupo Lena.

De acordo com a acusação do Ministério Público, se o Tribunal de Contas rejeitasse a decisão, o Grupo Lena deveria ser ressarcido, com o ex-primeiro ministro José Sócrates a ter alegadamente garantido indemnizações ao grupo empresarial.

O consórcio Elos ganhou a concessão para a construção do troço de alta velocidade em dezembro de 2009 e ficou aprovada uma linha de financiamento do Banco Europeu de Investimento ao consórcio, no valor de 600 milhões de euros. O consórcio era constituído pela Rave, a Brisa, a Soares da Costa e ainda as empresas Iridium, Dragados, Grupo Lena, Bento Pedroso, Odbrecht, Edifer, Zagop e os bancos Millennium bcp e Caixa Geral de Depósitos.

No entanto, já em 2012, com o Governo de Passos Coelho em funções, o Tribunal de Contas chumbou o projeto, surgindo assim um acordo de compensação entre o Estado e o consórcio Elos.

Segundo fontes ligadas ao processo, as dúvidas principais do Ministério Público centram-se na transferência da linha de financiamento de 600 milhões de euros que tinham sido alocados ao projeto, para a Parpública, para que a holding do Estado amortizasse dívida.

As condições de financiamento eram muito vantajosas e por isso, quando o Executivo de Passos Coelho tomou posse, optou por aproveitar estas condições para as a canalizar para a Parpública, uma vez que romper com o contrato de financiamento custaria entre 150 milhões a 200 milhões.

Nesta altura, o BEI sai de cena, e o financiamento passa a ser contratado pelos bancos Santander, BCP, Caixa Geral de Depósitos e BES.

A empresa estatal que geria o projeto TGV,  a Rave, transformou o empréstimo, que era de taxa variável, em empréstimo de taxa fixa através de um swap de cobertura de risco. No entanto, aquando da transferência desta linha de financiamento para a Parpública, o swap já estava negativo, cristalizando uma perda para o Estado. É também sobre esta situação que recaem as dúvidas do Ministério Público.

Além disso, o contrato de cancelamento remetia qualquer indemnização a pagar ao consórcio Elos para uma decisão de Tribunal Arbitral. O Ministério Público também quer perceber por que razões é que uma indemnização não estava dependente de decisão de um Tribunal Administrativo.

(atualizada com mais informação)

Ler mais
Recomendadas

Ex-inspetor Pereira Cristóvão e Mustafá condenados a penas de prisão por assaltos

O Tribunal de Cascais condenou esta sexta-feira a sete anos e meio de prisão o antigo inspetor da Polícia Judiciária Paulo Pereira Cristóvão e a seis anos e quatro meses o líder da claque Juventude Leonina, Nuno Mendes (Mustafá).

Interrogatórios de Ricardo Salgado no Monte Branco e BES podem ser utilizados na Operação Marquês, diz juiz

A Relação de Lisboa voltou a contrariar o juiz Ivo Rosa e diz que depoimento de Ricardo Salgado na operação Monte Branco pode ser usado.

Tribunal de Contas acusa ministério de Centeno de falta de liderança na reforma das Finanças Públicas

O Tribunal de Contas alerta que quatro projetos que deveriam ter sido concluídos no primeiro semestre de 2019 não foram ainda iniciados no âmbito da implementação da Lei de Enquadramento Orçamental. Recomenda mais meios, assim como estabelecer melhor hierarquia nas prioridades dos projetos.
Comentários