Jack Ma reduz participação na AliBaba e encaixa mais de oito mil milhões de euros

O co-fundador da empresa ligado ao e-commerce fica assim com uma participação de 4,8%. Medida aconteceu em setembro de 2019, quando apresentou a sua saída do cargo de presidente executivo.

O co-fundador do grupo retalhista chinês online Alibaba Jack Ma, vendeu cerca de 8,4 mil milhões de euros em ações, reduzindo a sua participação na empresa no ano passado de 6,4% para 4,8%, segundo informa a agência “Reuters” esta segunda-feira, 13 de julho.

Esta medida aconteceu em setembro de 2019, quando Jack Ma apresentou a sua saída do cargo de presidente executivo da empresa ligada ao e-commerce para se concentrar no ramo da filantropia. O grupo Alibaba não divulgou o preço médio de venda do seu desinvestimento, contudo o preço das ações subiu cerca de 40% desde que Jack Ma reportou a sua participação de 6,4% na empresa há um ano.

O vice-presidente executivo do grupo Alibaba, Joseph Tsai, também reduziu a sua participação na empresa no mesmo período, de 2,3% para 1,6%. As ações transferidas valiam 3,6 mil milhões de euros na última sexta-feira. Os dois elementos têm-se envolvido cada vez menos nas operações regulares da empresa desde que Daniel Zhang foi anunciado como sucessor de Jack Ma como presidente, cargo que assumiu formalmente em setembro de 2019.

Em 2020, Jack Ma e Joseph Tsai já doaram milhões de unidades de equipamento de proteção individual (EPI) em ações de solidariedade para hospitais de todo o mundo para ajudar a combater a pandemia da Covid-19.

Um pedido feito em abril de 2019 à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos indica que Jack Ma pretende vender até 21 milhões de ações em um ano para apoiar os seus esforços filantrópicos.

Recomendadas

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).
Comentários