PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

O pior de tudo é que continua a ser notícia: o Citigroup nomeou uma mulher, Jane Fraser, para suceder a Michael Corbat como CEO do banco, tornando-a a primeira mulher a liderar uma grande instituição financeira cotada em Wall Street.

Jane Fraser, de 53 anos, tem surgido repetidamente naquelas listas um pouco absurdas das mulheres mais poderosas do mundo (feitas pela “Fortune” e pela “American Banker”) e o seu currículo deixa poucas dúvidas sobre a sua aptidão para liderar o Citigroup, mas uma mulher CEO de um banco é de tal raridade que faz lembrar que não foi assim há tantos anos que, em Portugal (como em tantas outras praças), as instituições bancárias (com o BCP de Jardim Gonçalves à frente, e, por favor, não vale a pena desmentir), as mulheres eram muito pouco bem-vindas a cargos de chefia. Eram, ou são, conforme os pontos de vista – um debate daqueles do género em que nunca se consegue chegar a nenhum consenso.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários