Japão decide despejar água processada da central eléctrica de Fukushima no Oceano Pacífico

A libertação controlada de água da fábrica foi a medida que as autoridades japonesas tinham optado desde o início do ano passado, considerando-a a mais viável entre uma série de outras opções tecnicamente mais complexas.

O Governo japonês decidiu hoje que a água processada armazenada na central nuclear de Fukushima será descarregada no Oceano Pacífico, após tratamento para remover a maior parte dos elementos radioativos.

A controversa medida visa resolver a acumulação de água radioativa na instalação nuclear, um dos problemas mais urgentes no complexo processo de desativação da central que foi danificada pelo terramoto e tsunami de março de 2011.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, tomou hoje a decisão após consultas com o operador da central, Tokyo Electric Power, o regulador nuclear japonês, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e as autoridades locais em Fukushima, entre outras partes.

A libertação controlada de água da fábrica foi a medida que as autoridades japonesas tinham optado desde o início do ano passado, considerando-a a mais viável entre uma série de outras opções tecnicamente mais complexas.

A decisão tinha sido adiada devido à oposição do Governo de Fukushima e das associações de pescadores locais, que acreditam que o derrame poderia prejudicar ainda mais as suas atividades económicas.

As autoridades japonesas consideram que o derrame não irá gerar qualquer risco para a saúde humana porque os níveis de trítio libertados no mar ficarão abaixo das normas sanitárias nacionais – a misturar com a água do mar – e defendem que esta é uma prática comum na indústria nuclear de outros países.

A instalação de Fukushima Daiichi tem um sistema de processamento de água que remove a maioria dos materiais radioativos considerados perigosos, com exceção do trítio, um isótopo natural mas de baixa concentração.

Mais de 1,25 milhões de toneladas de água processada são armazenadas nas instalações da Daiichi, e espera-se que a capacidade para o seu armazenamento se esgote no outono do próximo ano ao ritmo atual a que está a ser gerada.

Ler mais
Recomendadas

Malásia decreta restrições para travar nova vaga da pandemia

O chefe do Governo malaio justificou as medidas com a pressão no sistema de saúde, devido ao aumento de casos da covid-19 e à presença no país da variante no novo coronavírus detetada na Índia.

Presidente da Colômbia anuncia investigação a abusos policiais em protestos

Estas são as manifestações mais sangrentas contra o Governo do Presidente de direita desde os protestos maciços em 2019 e 2020 contra a violência policial.

Variante detetada na Índia presente em 44 países, afirma Organização Mundial de Saúde

Esta semana, a OMS classificou esta variante do novo coronavírus como “de preocupação ou de interesse global” por estudos indicarem ser mais contagiosa do que o vírus original.
Comentários