Jerónimo de Sousa recandidato à Presidência da República? “PCP terá outro candidato ou candidata”

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, adianta que a candidatura comunista ao Palácio de Belém vai insistir na defesa dos direitos dos trabalhadores e dos mais atingidos pela crise pandémica e na “efetivação” da Constituição da República.

Flickr/Festa do Avante

O secretário-geral do Partido Comunista (PCP), Jerónimo de Sousa, pôs esta terça-feira de parte uma eventual recandidatura à Presidência da República, dizendo que o partido vai apresentar “outro candidato ou candidata”. Jerónimo de Sousa adianta que a candidatura do PCP vai insistir na defesa dos direitos dos trabalhadores e dos mais atingidos pela crise pandémica e na “efetivação” da Constituição da República.

“Eu candidato? Costuma-se dizer que não há duas sem três… Mas, com certeza teremos outro candidato ou candidata. Não posso dar nenhuma informação apressada. Vai ser anunciado, talvez, dia 12”, afirmou Jerónimo de Sousa, em declarações aos jornalistas, à margem de uma visita a uma escola, em Lisboa.

Sem querer entrar em pormenores sobre a candidatura pelo PCP ao Palácio de Belém e escudando-se no argumento de que a apresentação do candidato ou candidata acontecerá “em breve”, Jerónimo de Sousa avançou que a candidatura terá como objetivo “a defesa dos trabalhadores e das camadas e classes que estão profundamente atingida pela crise epidémica” e a afirmação de um Portugal soberano, onde “o povo possa decidir livremente”.

Jerónimo de Sousa disse ainda que a candidatura do PCP terá também como foco a luta pela valorização dos serviços públicos, “particularmente na Saúde e na Segurança Social”, e pelo “respeito pela Constituição”, sublinhando que “não basta jurar cumprir e fazer cumprir a Constituição”.

“Um problema que tem existido desde a sua aprovação, em 1986, é a necessidade da sua efetivação em muitas matérias de fundo que nos levaram à situação que vivemos hoje. Vamos debatermo-nos por essa efetivação desses comandos constitucionais que estão consagrados na Constituição da República Portuguesa”, explicou.

O secretário-geral do PCP não quis comentar a confirmação da candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes nem a possibilidade de esta vir a dividir o eleitorado à esquerda, tendo-se limitado a dizer: “Fazemos o registo. É alguém que quer exercer um direito constitucional que lhe assiste. A nossa preocupação principal é o papel que a nossa candidatura que dentro em breve vai ser anunciada vai propor para os portugueses”, frisou.

Na corrida às presidenciais estão também a eurodeputada bloquista Marisa Matias, o presidente e deputado único do Chega, André Ventura, e o militante da Iniciativa Liberal Tiago Mayan Gonçalves. Já o Partido Social Democrata (PSD) aguarda pela eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Recorde-se que Jerónimo de Sousa foi candidato à Presidência da República por duas vezes: a primeira vez nas presidenciais de 1996 – tendo desistido a favor do candidato socialista, Jorge Sampaio –, e a segunda em 2006, onde ficou em quarto lugar, com 9% dos votos, atrás de Aníbal Cavaco Silva, Manuel Alegre e Mário Soares.

Ler mais
Relacionadas

André Ventura garante que se demite caso Ana Gomes fique à sua frente nas presidenciais

O presidente recém-reeleito do Chega, André Ventura, considera que Ana Gomes será “a pior candidata presidencial de sempre” e diz estar confiante de que vai conseguir um resultado superior ao da antiga eurodeputada socialista.

Ana Gomes confirma candidatura à Presidência da República

Antiga eurodeputada avançou com a decisão em declarações ao “Público”. Apresenta a candidatura na quinta-feira, um dia depois de Marisa Matias, ficando praticamente definidos aqueles que irão apresentar-se a votos nas presidenciais de janeiro de 2021.
Recomendadas

PremiumBruxelas recusa-se a deixar cair caso do procurador europeu

Ministra da Justiça vai ser ouvida no Parlamento Europeu a 4 de fevereiro. Eurodeputados querem novas explicações e contam com apoio da Provedoria.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.

Pedro Nuno Santos agradece a Ana Gomes por não deixar socialistas “sozinhos” nas presidenciais

O governante apelou ao voto em Ana Gomes e sublinhou que a ex-diplomata é a única que defende o “socialismo democrático” e com a coragem necessária para “enfrentar quem sempre fez e desfez o país”.
Comentários