Jerónimo Martins vai “impugnar judicialmente” multa de 26 milhões na Polónia

“A Jerónimo Martins Polska (JMP) discorda do entendimento e da conclusão da Autoridade Polaca da Concorrência e Proteção do Consumidor (UOKiK) e irá impugnar judicialmente a decisão”, indicou a empresa.

A Jerónimo Martins, dona do Pingo Doce, vai “impugnar judicialmente” a multa, de 26 milhões de euros, que foi aplicada à cadeia de supermercados que detém na Polónia, a Biedronka, disse fonte oficial do grupo à Lusa.

“A Jerónimo Martins Polska (JMP) discorda do entendimento e da conclusão da Autoridade Polaca da Concorrência e Proteção do Consumidor (UOKiK) e irá impugnar judicialmente a decisão”, indicou a empresa.

Em causa estão alegadas práticas, segundo a UOKiK, “de apresentação incorreta de preços” aos clientes, que motivaram várias queixas contra a empresa.

De acordo com este organismo, os preços anunciados nas prateleiras não correspondiam aos que eram depois cobrados na caixa, e que acabavam por ser mais elevados, lê-se num comunicado hoje divulgado, que indica que estas práticas remontam pelo menos a 2016.

Além disso, a UOKiK relatou que vários produtos não tinham preço e deu exemplos de consumidores que se sentiram prejudicados.

A Jerónimo Martins discorda e explica as discrepâncias com a “escala de operações da Biedronka”, que conta naquele país com “mais de três mil lojas, cerca de 70 mil colaboradores e mais de quatro mil milhões de visitas de clientes entre 2017 e 2020”, de acordo com a resposta enviada à Lusa.

“Há sempre a possibilidade de, por erro humano, faltarem alguns preços ou estarem mal colocados”, garantiu a mesma fonte.

“A empresa tem tomado medidas robustas, e acima das práticas do mercado, para reduzir estes erros pontuais, tendo estas medidas já produzido efeitos. Mantemo-nos firmes na nossa estratégia de fornecer produtos de qualidade a preços baixos todos os dias, criando valor e apoiando as famílias polacas e a produção e fabrico de alimentos na Polónia, especialmente nestes tempos difíceis”, referiu o grupo português.

O lucro da Jerónimo Martins caiu 36,2% no primeiro semestre, face a igual período de 2019, para 104 milhões de euros, anunciou o grupo, a 29 de julho.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa referiu que as vendas subiram 4,6% para 9.317 milhões de euros, impulsionadas pela Biedronka.

“O forte desempenho da Biedronka mais do que compensou a queda de vendas em Portugal e a pressão da desvalorização do zloty e do peso colombiano”, lê-se no comunicado.

No primeiro semestre, as vendas da Biedronka cresceram 7,8% para 6.536 milhões de euros, dos quais 3,3 mil milhões de euros foram realizados no segundo trimestre (+3,4% do que no período homólogo de 2019).

“No período dos seis meses, a Biedronka abriu 34 novas localizações (29 adições líquidas) e procedeu a 71 remodelações”, referiu o grupo.

“Embora os trabalhos de início de construção de novas lojas tenham estado suspensos no início da crise pandémica, a Biedronka finalizou todos os projetos que já havia iniciado e começou, a partir do final de maio, a fazer avançar os projetos em carteira”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Soares dos Santos: “Está a chegar o momento da Biedronka crescer além fronteiras e o local preferido é a Roménia”

Com “solidez, sustentabilidade e estabilidade”, o Grupo Jerónimo Martins prepara o crescimento da joaninha polaca para o mercado da Roménia. O presidente da JM, Pedro Soares dos Santos considera que chegou a vez da Biedronka dar o salto além-fronteiras da Polónia, afirmando-se como o motor do Grupo JM.

PremiumJerónimo Martins vai investir até 750 milhões para ter mais 290 lojas em 2020

Ara, na Colômbia, vai ter mais 130 lojas, e Biedronka, na Polónia, mais 100. Em Portugal, o Pingo Doce vai apostar num novo conceito de loja.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários