PremiumJ+Legal, a nova sociedade de advogados. “Somos uma boutique ‘full service’ focada nas empresas”

Diogo Horta Osório, Jorge Brito Pereira, Jaime Esteves e Sofia Matos lançam novo escritório. Oferta é ‘full service’, mas com uma forte aposta nas áreas de Mercado de Capitais, M&A e Fiscal.

Uma boutique jurídica full service com uma forte aposta nas áreas de mercados de capitais, fusões e aquisições (M&A) e fiscal, que quer evitar os “erros” dos grandes escritórios tradicionais e pretende combinar a experiência dos fundadores com o sangue novo dos jovens talentos da advocacia. É este o perfil da J+Legal, a nova sociedade de advogados fundada por José Diogo Horta Osório (ex-Cuatrecasas, na foto principal), Jorge Brito Pereira (ex-Uría) e Jaime Esteves (ex-PwC), com Sofia Matos (ex-Antas da Cunha ECIJA) como of counsel.

“Tendo em conta os percursos profissionais de cada um dos sócios da J+Legal, as principais áreas de prática são M&A, Mercado de Capitais e Tax. Quer eu quer o Jorge liderámos durante muitos anos os departamentos de corporate e M&A das sociedades Ibéricas onde nos integrámos e, no caso do Jaime, este liderava o departamento de Tax de uma das Big Four”, disse Diogo Horta Osório ao Jornal Económico. O antigo sócio de M&A da Cuatrecasas considera que “se quisermos definir o que queremos ser no mercado, a J+Legal é uma boutique full service, focada nas empresas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.
antónio_costa_silva_partex_4

Sérvulo promove encontro com António Costa e Silva

A Sérvulo promove na próxima semana uma conferência online que conta com a participação de António Costa e Silva, o autor do documento que serve de base ao Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030. Assista ao evento no próximo dia 11 de março, na JE TV. Os leitores do Jornal Económico poderão enviar questões para colocar aos oradores.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários