PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

João César das Neves critica a falta de programas contra a pobreza e defende que a solução para aumentar a procura na economia é “pôr dinheiro no bolso das pessoas”. O economista, que lançou esta semana o livro “As Dez Questões da Pandemia – O Efeito Económico da Catástrofe Covid -19” (Dom Quixote), diz que a União Europeia “fez exatamente o contrário daquilo que deveria ter feito” durante a crise.

Como é que avalia o pacote de apoio orçamental do Governo em comparação com outros países europeus?
O governo português não apoiou a economia como devia. Primeiro começou com a abordagem habitual, que é não um programa, mas muitos, pequeninos, vários. Todos eles, e essa é a parte mais incompreensível, com prazo. Claro que daí a três meses anunciava-se outro. Aquilo era mais bonito em termos políticos. Mas talvez o pior de tudo seja a burocracia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários