João Galamba: “Em 2018 e 2019, o país dispensa brilharetes orçamentais”

João Galamba defende que está na altura de dar maior prioridade aos serviços públicos e ao investimento. E assume a sua ambição de integrar o próximo Governo, visando as pastas de Finanças ou Economia.

O processo de recapitalização da CGD fez com que o défice público de 2017 derrapasse para cerca de 3% do PIB. Isto mancha o desempenho do atual Governo ou, pelo menos, estraga o brilharete do “menor défice em democracia”?

Não, penso que não. Aliás, independentemente dos debates estatísticos e contabilísticos, parece-me haver um relativo consenso entre o Governo português e as instituições europeias, nomeadamente quem tem a responsabilidade de avaliar e acompanhar o cumprimento das regras em matéria de finanças públicas, além da perspetiva dos investidores internacionais e das agências de rating, de que se trata apenas de um debate meramente contabilístico e não tem relevância, nem deve ser um dado que pese na avaliação da evolução das contas públicas de Portugal no ano de 2017. E tanto é assim que na segunda-feira soube-se que a CGD foi incluída no défice e hoje os juros da dívida baixaram. A dívida, que é o relevante nesta matéria, uma operação que implicou um aumento do endividamento, a dívida foi registada no ano de 2016. Portanto, no ano de 2017, o que tivemos foi contabilisticamente um défice de 3%, mas o défice relevante, da perspetiva de evolução da dívida pública, não é esse… É de 0,92%. E a dívida baixou um pouco mais de cinco pontos percentuais. Em suma, não daria grande importância a isso, embora concorde com o ministro das Finanças, e com o INE, de que há argumentos fortes para a sua não inclusão no défice. O importante é que foi recapitalizada a CGD e o esforço financeiro envolvido nessa operação, o inerente aumento do endividamento público, foi registado no ano de 2016.

Como é que se explica que em 2018, mais de uma década após a crise do subprime, ainda se esteja a resgatar e recapitalizar bancos em Portugal?

A explicação tem uma razão, neste caso, puramente portuguesa. Porque houve países que tomaram medidas bastante vigorosas, inicialmente. Num certo sentido fizeram o front-loading [resposta antecipada] da recapitalização da banca e nós fizemos o back-loading [resposta adiada ou gradual]. Ou seja, fizemos sempre recapitalizações pelos mínimos, tendo como objetivo o cumprimento de metas orçamentais e não a estabilidade financeira. E isso teve custos, porque se adiaram recapitalizações. Temos o caso do BES em que isso é muito evidente, até foi celebrado como banco que não necessitou de ajuda pública, mas afinal necessitava e não era pouca. Temos o caso do BANIF, que foi empurrado com a barriga para depois das eleições, com os custos que se conhecem. E temos a CGD em que, ao invés de termos o Estado a comportar-se como um acionista responsável que valoriza e capitaliza o seu ativo, para que possa desempenhar as suas funções, sobretudo na altura mais difícil da crise, foi feito exatamente o oposto.

Entrevista publicada na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

João Galamba diz ser difícil aumentar função pública em 2019

O porta-voz do PS deixou no entanto a possibilidade, num cenário de crescimento da economia, de existirem aumentos. O socialista acrescentou que se existir espaço devem existir essas subidas em linha com a inflação.
Recomendadas

Proposta do PAN para impedir deputados de ter cargos em clubes ou federações gera dúvidas no Parlamento

Projeto de lei do PAN que visa impedir os deputados de ter cargos em clubes ou federações desportivas profissionais foi debatido no Parlamento, na quarta-feira. A proposta devia ter sido votada, mas os restantes partidos levantaram dúvidas. Projeto baixou novamente à comissão para reapreciação.
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.
Comentários